28 setembro, 2007

OuTonalidades - Ou Como Criar Um Festival Itinerante


De 4 de Outubro a 22 de Dezembro, variadíssimos espaços por esse país fora acolhem inúmeros concertos de diferentes áreas musicais (e também teatro e cinema), mas com destaque para a folk e a música tradicional, em mais um festival OuTonalidades, da Associação d'Orfeu, desta vez espalhado de norte a sul de Portugal. O programa é extensíssimo e complexo - podem consultar-se horários, locais e grupos/artistas, com tudo bem explicadinho, aqui - mas neste post ficam as indicações básicas: os agrupamentos, músicos e outros artistas envolvidos e os locais que os acolhem. No festival estão presentes os Mandrágora, Xoán Curiel, Espírito Nativo, Ventos da Líria, Melech Mechaya, T3+Uns, Quarteto de Sofia Ribeiro, Stockholm Lisboa Project, Politonia, Arrefole (na foto), Comcordas, «4 Curtas e Uma Húngara» (cinema com música improvisada ao vivo), Talitha Kum, Andarilhos, Fábrica de Sonhos, Pi Sem Pé (teatro), Muito Riso Muito Siso (teatro), Sesto Senso, Agustin Portalo («One Man Band»), Gui Duvignau, Fados do Andarilho, Mu, João Gentil & Luís Formiga, Sweet Punk Jazz, Lufa-Lufa, Maré Jazz e Plasticina. Todos espalhados pelo Cine-Teatro de Estarreja, Casa da Eira de Paços de Ferreira, Piazzolla Café-Bar de Cantanhede, ACERT de Tondela, Pizzaria Suprema de Águeda, Teatro Municipal da Guarda, Espaço d'Orfeu de Águeda, Sítio do Cefalópode de Lisboa, Espaço Celeiros de Évora e Alaúde Bar do Fundão. Para dar um novo sentido à palavra «festival».

27 setembro, 2007

Ana Moura no CCB (e Com Convidados Muito Especiais)


A fadista Ana Moura dá um concerto especial no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, dia 7 de Outubro, num espectáculo que encerra um ano de apresentações do álbum «Para Além da Saudade» e em que a cantora estará rodeada de alguns convidados inesperados. Veja-se só: numa rara presença em palco, estará com ela o cantor e compositor Fausto (autor de «E Viemos Nascidos do Mar», tema interpretado por Ana Moura no seu último álbum). Outro convidado-surpresa é o saxofonista Tim Ries, dos Rolling Stones (o mesmo que a convidou para participar no segundo tomo do seu «The Rolling Stones Project»); e, finalmente, dois nomes portugueses do universo do flamenco: o cantor Zé Pato (dos Ciganos d'Ouro, que tinha participado no primeiro álbum de Ana Moura, no tema «Vou Dar de Beber à Dor») e o guitarrista Pedro Jóia (responsável pelos arranjos desse tema e também de «Preso Entre o Sono e o Sonho»). E, a acompanhá-la, durante todo o espectáculo estará o trio que gravou com ela o álbum «Para Além da Saudade»: Custódio Castelo (guitarra portuguesa), Filipe Larsen (viola-baixo) e Jorge Fernando (viola). Mais informações aqui.

26 setembro, 2007

Júlio Pereira, Diabo a Sete e Stockholm Lisboa Project - As Viagens da Música Portuguesa


Uma nova fornada de discos portugueses ocupa hoje o - agora recuperado depois de uma intensa época de festivais - espaço de «crítica» discográfica do Raízes e Antenas: o novo álbum de Júlio Pereira e os álbuns de estreia dos Diabo a Sete (na foto; de Santos Simões) e do Stockholm Lisboa Project. Todos a porem a música portuguesa - de raízes variadas - em diálogo com outras músicas.


JÚLIO PEREIRA
«GEOGRAFIAS»
Som Livre/Valentim de Carvalho

Júlio Pereira é um dos mais importantes músicos e compositores portugueses dos últimos trinta anos. Começando a sua carreira em grupos rock dos anos 60 e princípios de 70, torna-se depois presença constante nas gravações de alguns dos nomes incontornáveis da música popular portuguesa (José Afonso, Fausto...) e assina, já nos anos 80, um álbum genial de nome «Cavaquinho», em que recupera esse instrumento «perdido» do nosso património e para ele inventa (ou reinventa, através de versões pessoalíssimas de temas tradicionais) um novo lugar na hierarquia dos cordofones portugueses. E o mesmo faz com o bandolim no álbum «O Meu Bandolim». Bandolim que - muitos discos depois e uma fama que existe mais junto dos seus colegas de ofício, em Portugal e na Galiza, do que junto do grande público - é o instrumento central do seu novo álbum, «Geografias», mas com uma novidade absoluta na carreira de Júlio Pereira: neste álbum, Júlio Pereira - que geralmente grava quase todos os instrumentos dos seus discos - partilhou a gravação com outros dois músicos em permanência, Bernardo Couto (em guitarra portuguesa) e Miguel Veras (em viola acústica), e, a espaços, com Quico Serrano (sintetizadores e percussões) e três cantoras - Sara Tavares, Marisa Pinto e Isabel Dias - que no álbum têm a função mais de «instrumentistas da voz» do que propriamente de «vocalistas». E o álbum mostra, para além de um leque de soluções harmónicas muito mais aberto do que é normal nos discos de Pereira, uma música mais orgânica, mais verdadeira (de banda!) e - mercê de composições de Júlio Pereira especialmente inspiradas - a viajar entre a música portuguesa (seja o fado ou a música tradicional rural) e a música de outros lugares: o Magrebe, a África negra, o Brasil, o País Basco... E há no álbum uma luz, uma alegria e uma vivacidade que há muito não se ouviam em Júlio Pereira. É tudo bom? Não, há aqui e ali uns pós de sintetizadores - ora pomposos, ora apenas deslocados - que não faziam falta nenhuma. Mas não chegam para estragar o conjunto. (8/10)


DIABO A SETE
«PARAINFERNÁLIA»
Açor/Megamúsica

É uma coincidência feliz falar do (lindíssimo!, diga-se desde já) álbum de estreia dos Diabo a Sete a seguir ao novo álbum de Júlio Pereira. E é-o porque Pereira é, sem dúvida, uma influência decisiva na música deste grupo de Coimbra: tanto no uso dos cordofones como na sua abordagem à música tradicional portuguesa e na sua abertura a outras músicas. Mas essa influência, se bem que importante, é apenas um dos elementos da música feita pelos Diabo a Sete. Partindo muitas vezes do cancioneiro popular (Madeira, Trás-os-Montes, Alentejo, Algarve...) mas aventurando-se também em muitos temas originais mas de inspiração tradicional - quase todos de Pedro Damasceno (o homem dos cordofones e da concertina) -, os Diabo a Sete seguem depois por inúmeros caminhos que tanto os levam ao rock como ao reggae como à chamada «música celta» como às «danças europeias», mas sempre com um bom-gosto, uma leveza, uma facilidade (no bom sentido da palavra, isto é, no sentido de «naturalidade») e uma beleza genuínos. Peças fundamentais no som do grupo são, para além dos instrumentos tocados por Damasceno, a voz e a sanfona de Julieta Silva (ela também dos Chuchurumel), a gaita-de-foles de Celso Bento e uma secção rítmica rara neste tipo de projectos: o baixo eléctrico de Eduardo Murta e a bateria de Miguel Cardina, que se remetem quase sempre a uma posição discreta mas fundamental para a coesão do resultado final. E se não destaco aqui um ou outro tema, a razão é simples: porque este é um álbum para ouvir do princípio ao fim, sem pontos mortos ou temas menos interessantes. Um álbum importante. (8/10)


STOCKHOLM LISBOA PROJECT
«SOL»
Nomis Muzik

Aventura interessantíssima - se bem que resulte muito melhor na prática do que na teoria, e já vamos a essa questão -, o Stockholm Lisboa Project é essencialmente o projecto de um grupo de músicos amigos de dois países separados por milhares de quilómetros de distância: os portugueses Luís Peixoto (também dos Dazkarieh; em bandolim e bouzouki) e Sérgio Crisóstomo (ex-At-Tambur; em violino) e o sueco Simon Stalspets (em bandola e harmónica), aos quais se juntou numa fase posterior a fadista Liana. Do gosto comum em fazer música passou-se para a procura, não sistemática, de possíveis e eventuais pontos em comum entre a música portuguesa e a música sueca, de que são exemplos neste disco o original, mas com cheiro a corridinho algarvio, «Sol de Janeiro» com uma polska tradicional escandinava, ou exemplo ainda mais feliz, o «Fado do Ribatejo» com uma valsa, a «Hopers Vals». Mas são «filhos» quase únicos desta tentativa de ligação entre músicas tão distantes. E nisso, a «teoria» falha. Mas, agora a parte boa: se ouvirmos o álbum sem pensarmos nesta questão formal, se o ouvirmos pelo simples prazer de ouvir música, e boa música!, o álbum resulta espantosamente bem, com os instrumentos - e as músicas que eles transportam, sejam lá de onde for - a encaixarem-se na perfeição e a voz de Liana (muito boa cantora!), quando aparece e seja em fados ou não, a coroar com distinção esta música viva e solarenga, mesmo que por vezes melancólica. A propósito: «sol» quer dizer o mesmo em português e em sueco. (7/10)

25 setembro, 2007

Os N'Gapas, Ritchaz & Kéke e Kotalume - Novos Sons Africanos na ZDB


A semana passada falou-se aqui de música nascida ou a desenvolver-se em Angola (e também em Cabo Verde, via kizomba). E, há alguns meses, um longo texto publicado neste blog dava conta de muita música mestiça, crioula, cruzada, de fusão que se faz em Lisboa e arredores, em que eram referidos, entre outros, os Buraka Som Sistema, agrupamento em que se juntam músicos, DJs e cantores de várias origens - portuguesa, angolana, indo-moçambicana... - e que está desde há alguns meses a ser o ponta-de-lança da visibilidade de uma nova música feita na capital portuguesa mas com elementos africanos e de actualíssimas músicas anglo-saxónicas (os BSS foram recentemente nomeados para os Prémios MTV Europa, depois de terem tocado por todo esse continente fora). Mas as fusões não começam nem acabam nos nomes referidos nesses dois textos. No próximo sábado, dia 29, na ZDB, Bairro Alto, em Lisboa, apresentam-se mais três projectos de origem africana que fazem da mistura de muitas músicas o seu habitat: Os N'Gapas (quarteto de angolanos que vivem em Monte Abraão, Queluz, e que se dedicam ao kuduro e à tarrachinha); Ritchaz & Kéke (cabo-verdianos, habitantes da Outorela/Portela, estreiam-se na ZDB com uma mistura de kizomba, zouk, hip hop e reggae - na foto, de Marta Pina); e Kotalume (aka Adilson Moreno, também cabo-verdiano, que tanto faz funaná ao jeito dos Ferro Gaita quanto funaná electrónico - pode-se chamar funanhouse??? - ou kizomba). A produção do concerto é da Filho Único, com bilhetes a cinco euros que podem ser comprados antecipadamente na Flur ou, no próprio dia, na ZDB. Mais informações aqui.

24 setembro, 2007

Cromos Raízes e Antenas XXVI


Este blog continua hoje a publicação da série «Cromos Raízes e Antenas», constituída por pequenas fichas sobre artistas, grupos, personagens (míticas ou reais), géneros, instrumentos musicais, editoras discográficas, divulgadores, filmes... Tudo isto sem ordem cronológica nem alfabética nem enciclopédica nem com hierarquia de importância nem sujeita a qualquer tipo de actualidade. É vagamente aleatória, randomizada, livre, à vontade do freguês (ou dos fregueses: os leitores deste blog estão todos convidados a enviar sugestões ou, melhor ainda!, as fichas completas de cromos para o espaço de comentários ou para o e-mail pires.ant@gmail.com - a «gerência» agradece; assim como agradece que venham daí acrescentos e correcções às várias entradas). As «carteirinhas» de cromos incluem sempre quatro exemplares, numerados e... coleccionáveis ;)


Cromo XXVI.1 - Aisha Kandisha's Jarring Effects



O rock é uma realidade global que «contaminou» - assim como muitos dos seus derivados - muita da música que se faz hoje em dia. E, no interminável mundo das fusões de músicas locais com o rock (e derivados), os marroquinos Aisha Kandisha's Jarring Effects são um dos exemplos mais interessantes: começando por fazer música tradicional shabee, durante os anos 80, o seu primeiro álbum, «El Buya», de 1990 foi produzido pelo suiço Pat Jabbar (o mesmo que trabalha agora com os Maghrebika), que mergulhou a música do grupo num molho de dub, rock e electrónicas, com excelentes resultados. No álbum seguinte, «Shabeesation», de 1992, os Aisha Kandisha's Jarring Effects tiveram a colaboração do incansável Bill Laswell (o homem das mil colaborações e produções), álbum em que também colaboraram membros dos Last Poets e dos Parliament. Hoje, os A.K.J.E. continuam de boa saúde e a trilhar os mesmos caminhos.

Cromo XXVI.2 - Tsinandali Choir



Tentar fazer a viagem dos cantos polifónicos europeus é uma experiência fascinante: pode começar-se pelo Alentejo, seguir pela Córsega e a Sardenha, parar para beber da beleza das vozes femininas na Bulgária e acabar na Geórgia, antiga república da União Soviética. Aqui, na Geórgia, o ponto de paragem obrigatório é a cidade de Tsinandali (na região da Kakhetia), conhecida no exterior pelo seu vinho e, desde que Peter Gabriel editou na Real World o único álbum do Tsinandali Choir, em 1993 (reedição de um disco originalmente lançado em 1988 apenas na Geórgia), também pela sua maravilhosa música. Grupo apenas de homens, que cantam a capella, o Tsinandali Choir faz justiça à sua origem e neste disco interpreta as chamadas «canções de mesa», isto é, odes ao vinho que congregam os amigos nas noites frias do Leste, depois de uma noite de muita comida e ainda mais bebida. É belíssimo!


Cromo XXVI.3 - Mickey Hart



Ao longo dos tempos, muitos foram os artistas anglo-saxónicos que se apaixonaram pelas chamadas «músicas do mundo». George Harrison, Robert Plant, Brian Jones, David Byrne, Paul Simon ou Peter Gabriel estão do lado dos mais conhecidos... Mas houve e há muitos outros, menos conhecidos, mas tão ou mais importantes que estes no cruzamento de variadíssimas linguagens musicais. Entre eles está, na linha da frente, o baterista, percussionista, escritor e musicólogo norte-americano Mickey Hart (nascido a 11 de Setembro de 1943). Membro dos Grateful Dead entre 1967 e 1971, e, depois, entre 1974 e 1995, Hart teve no mítico percussionista Babatunde Olatunji uma das suas maiores influências. E, ao longo da última década e meia, gravou álbuns importantíssimos com alguns dos mais importantes percussionistas mundiais. A conhecer (pelo menos estes álbuns): «Planet Drum», «Mystery Box» e «Supralingua».


Cromo XXVI.4 - Chavela Vargas



Nascida na Costa Rica (em San Joaquín de Flores, a 17 de Abril de 1919), mas mexicana por adopção e paixão, Chavela Vargas - de verdadeiro nome Isabel Vargas Lizano - é a maior lenda viva da música tradicional do México, especialmente da música ranchera, um estilo feito de canções de amores fatais e geralmente reservada aos homens. Há poucos anos, Chavela revelou numa entrevista aquilo de que muita gente suspeitava devido ao facto de quase sempre se ter vestido como um homem: ser lésbica. Assim como se ficou a saber que, durante a sua juventude, foi amante da pintora Frida Khalo (e ironicamente, ou talvez não, Chavela tem um dos seus momentos de maior reconhecimento internacional ao cantar no filme «Frida», de Julie Taymor). Mas isto são apenas pormenores, se bem que reveladores, da vida de uma mulher cuja força maior está na sua voz marcante, pessoal, inesquecível. A Mulher do Poncho Vermelho.

23 setembro, 2007

Tinariwen e Vieux Farka Touré - Para Ficarmos Todos Com Areia Dentro dos Bolsos



Os leitores deste blog sabem do amor que tenho aos tuaregues Tinariwen (podem procurar por aqui críticas aos discos «Amassakoul» e «Aman Iman» e a reportagem do fabuloso concerto que eles deram no MED de Loulé) e o respeito com que recebi o álbum de estreia, homónimo, de Vieux Farka Touré (na foto), filho do grande Ali Farka (ver crítica ao álbum algures neste blog, em conjunto com o disco de Afel Bocoum & Alkibar). E agora a boa notícia: tanto os Tinariwen quanto Vieux Farka Touré (este em estreia no nosso país) vêm dar concertos a Portugal, integrados na digressão de promoção ao Festival au Désert - que todos os anos decorre em Janeiro, no Mali - e desta vez tem uma extensão na Europa e Estados Unidos. Os concertos estão marcados para dia 18 de Outubro no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, e um dia depois no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Ainda não há muitos mais detalhes sobre o assunto (preços, etc.) mas ficamos, para já, com a certeza de que vamos ficar com os bolsos cheios de areia - na expressão mais que feliz de alguém que viu os Tinariwen mas que já não me lembro quem foi...

21 setembro, 2007

Adriano Correia de Oliveira - Os Tributos Que Faltavam


Um dos principais protagonistas - paralelamente a José Afonso - da evolução do fado de Coimbra para as baladas de protesto e intervenção política nas últimas duas décadas de regime fascista em Portugal, Adriano Correia de Oliveira (na foto) é recordado agora com algumas acções e discos em sua homenagem, com cantores e músicos mais recentes a recriar as suas canções. Comemorando os 25 anos da sua morte, é editado na próxima semana o álbum «Adriano Aqui e Agora. O Tributo» - em que participam nomes como Tim (dos Xutos & Pontapés), Ana Deus, Dead Combo, Valete ou Miguel Guedes (dos Blind Zero). O álbum, que tem edição da Movieplay e foi produzido por Henrique Amaro, conta ainda com a participação da fadista Raquel Tavares, Celina da Piedade (Uxu Kalhus), Vicente Palma (filho de Jorge Palma), Margarida Pinto (Coldfinger), Nuno Prata, Sebastião Antunes (Quadrilha), Pedro Laginha (Mundo Cão) e ainda as bandas Micro Audio Waves e Cindy Cat. Entre os temas escolhidos do reportório composto ou cantado por Adriano estão presentes canções como «Trova do Vento que Passa», «Sou Barco», «Tejo que Levas as Águas», «Rosa de Sangue», «Tu e Eu Meu Amor», «Para Rosalía» ou «Cantar Para um Pastor».

Já disponível há alguns meses está também o álbum «Cantaremos Adriano», com versões de temas do cantor interpretadas por um colectivo formado por Alexandre Pinto (percussões), João Queiroz (viola acústica e voz), Jorge Jordan (voz), Nuno Faria (contrabaixo), Paulo Cavaco (piano e acordeão), Rui Sousa (viola acústica e guitarra portuguesa) e Vitor Sarmento (viola acústica e voz). E, entre os inúmeros concertos e outras inciativas, destaque para um concerto, dia 25 de Outubro, na Voz do Operário, em Lisboa, «25 Anos - 25 Canções Lembrar Adriano», em que participam Amélia Muge, Brigada Victor Jara, Carlos Alberto Moniz, Fausto, Fernando Tordo, Francisco Fanhais, Janita Salomé, João Fernando, Luís Represas, Luísa Basto, Manuel Freire, Nuno do Ó, Paulo Saraiva, Paulo Vaz de Carvalho, Pedro Abrunhosa e Samuel.

20 setembro, 2007

Festival O Gesto Orelhudo - Música e Humor em Águeda



Um dos mais originais - e, ao que consta, divertidos (tenho imensa pena de nunca lá ter ido!) - festivais portugueses, O Gesto Orelhudo, estará de volta a Águeda entre os dias 29 de Setembro e 6 de Outubro com vários espectáculos musicais, de mímica, de teatro, de humor, de fantoches, de circo e/ou isto tudo junto, mais uma vez - a sexta - com organização da d'Orfeu e da edilidade local. No dia 29, a abrir o festival apresenta-se a surrealista formação musical The First Vienna Vegetable Orchestra (Áustria; na foto, de Sergio Bonuomo), com um concerto em que os instrumentos são vegetais (que irão, no final, acabar em... sopa!); seguindo-se os Trukitrek (Espanha/Brasil), «anões cantores (quase) humanos que apresentam um repertório internacional digno de qualquer “jukebox”». Dia 30, há um «concerto para Pássaros e outros Palradores»; um inesperado «Monólogo a Duas Vozes» com lenga-lengas e trava-línguas em palco, pela d'Orfeu; o espectáculo «Chico Lua & Cia.», de Beto Hinça (Brasil), em que «os instrumentos são marionetas nas mãos das marionetas»; «Bebés com Música», caracterizado como «músicas do mundo em compasso bebé», por Artur Fernandes (dos Danças Ocultas); e «Unforgetable», novamente pelos Trukitrek, «fantoches quase humanos numa história com tanto de amor como de humor». Dia 1 actuam os Slampampers (Holanda), «música & humor num espectáculo de (r)ir às lágrimas!». Dia 2 pode ver-se a peça «Sempre ao Lonxe», por Mofa & Befa (Galiza), «impagável espectáculo da mais louca companhia galega da actualidade». Dia 3, sobe ao palco o «intrigante cómico que ameaça a paz cultural da cidade» Leo Bassi (Itália/Estados Unidos) com o espectáculo «Instintos Ocultos». Dia 4, o Peripécia Teatro apresenta «Novecentos». Dia 5, há «circo contemporâneo» com Ferloscardo - Cotão Associação Cultural e Centro Cultural Belém; um imperdível concerto dos Deolinda, em que o fado é metido numa trituradora e servido ora quente ora muito, muito frio, mas sempre renovado. A encerrar, dia 6, o grupo espanhol Yllana apresenta «PaGAGnini», mistura de música clássica e humor; e os portuenses Mu dão concerto/baile de fim de festa. Paralelamente, há uma programação especial para o público das escolas do concelho de Águeda com espectáculos dos Slampampers e do Trigo Limpo Teatro ACERT. Mais informações aqui.

19 setembro, 2007

Tarrachinha - A Música Mais Sexy do Mundo (e Outras Músicas de Angola)


A paz em Angola - depois de décadas de guerra (primeiro a guerra contra as tropas portuguesas, depois uma guerra fratricida igualmente sangrenta) - proporcionou o desenvolvimento de variadíssimas e riquíssimas formas musicais e a sua divulgação interna e externa. Não que muita música não se fizesse e gravasse antes - vejam-se as gravações contidas na caixa «Angola», já referida há alguns meses neste blog, ou na recente compilação «Os Reis do Semba», todas feitas durante os anos finais de dominação portuguesa - ou as inúmeras gravações de artistas de kizomba editadas ainda durante a guerra civil. Mas, nos últimos anos, outros géneros foram nascendo e crescendo com uma força imparável: a versão muito própria e angolana do hip-hop e também o kuduro e a tarrachinha. De todos estes estilos, antigos ou modernos, damos conta a seguir.

O espantoso documentário «Mãe Ju» (na foto que encima este texto), realizado por Kiluanje Liberdade e Inês Gonçalves, é um espelho quase perfeito do que é um alfobre de novas músicas - assim como se fosse uma Factory de Manchester transposta para um bairro pobre de Luanda e reconvertida numa espécie de barracão com bola de espelhos incorporada, o botequim da Mãe Ju. Realizado paralelamente à preparação da exposição «Agora Angola» (foto das noivas, ao lado), «Mãe Ju» mostra os fazedores e dançarinos de kuduro e da mais recente tarrachinha no local em que, segundo eles, estas músicas nasceram e se desenvolveram. Nele estão nomes como DJ Znobia, Puto Português, Gata Agressiva, Nacobeta, Come Todas ou Bobani King, nomes de ponta do bem conhecido kuduro mas também da tarrachinha. E o que é a tarrachinha (ou tarraxinha ou tarracha)?... É tão só um kuduro despido de muita da sua carga interventiva, com beats mais lentos e letras de forte carga erótica, mas igualmente electrónico e feito com samples. Mas o resultado é inacreditável: a música é quente, erótica, pulsante; dançada quase como se o casal (homem e mulher) mexessem apenas as ancas, corpo colado ao outro corpo, «roça roça» ou «esfrega esfrega» - nas palavras dos protagonistas - ou, em palavras de escritor, José Eduardo Agualusa, no seu recente e maravilhoso livro «As Mulheres do Meu Pai»: «É uma dança de um erotismo violento. Supera em muito tudo o que vi (e vi bastante) nos bailes funk das favelas cariocas. A moça enrosca-sa ao peito do rapaz, segurando-o pela nuca, e vai-se atarraxando a ele com lentíssimos movimentos dos quadris».

Há letras - e sons! - de tarrachinhas que fariam o «Je T'Aime Moi Non Plus», de Serge Gainsbourg, ou o «I Feel Love», de Donna Summer, parecerem aulas de catequese. E há, percebe-se bem vendo o filme (e ouvindo-se muita da música contida nos discos de que se fala a seguir), que há uma linha invisível que une muitas das músicas angolanas: o semba tem uma continuidade óbvia na kizomba e esta na tarrachinha; o hip-hop à angolana evoluiu naturalmente para o kuduro, na mesma medida em que, noutros locais, o hip-hop influenciou decisivamente o kwaito sul-africano, o baile funk brasileiro ou o reggaeton latino-americano. Na Mãe Ju é possível um kuduro feito ao vivo dar lugar, naturalmente, a uma tarrachinha ou uma kizomba ter como contraponto imediato uma... tarrachinha. E atrevo-me a dizer - embora sem grau absoluto de certeza - que a tarrachinha é o culminar perfeito, a súmula quase completa de todas estas músicas já referidas: do semba e da kizomba pelo lado do calor, do sexo, do contacto. E do hip-hop e do kuduro pela parte «mecânica» de como a tarrachinha é feita. Desses outros géneros, aqui representados por quatro discos recentes e disponíveis em Portugal (via lojas ou sites), fazem-se curtas fichas a seguir:

Na sequência lógica da caixa «Angola» - e com as mesmas estruturas envolvidas (os arquivos da Valentim de Carvalho, a pesquisa da equipa da Difference Music e com distribuição da Som Livre) - surge agora uma maravilhosa colecção de sembas gravados durante os últimos anos de dominação portuguesa. Infelizmente parco em informação de carácter musicológico - tal como já acontecia na caixa «Angola» -, o livreto do disco aponta porém os locais em que o semba (género musical antigo, já referenciado em Angola desde há séculos) resistia a outras músicas, importadas, durante os anos 50 do séc. XX: os musseques, bairros pobres de Luanda, onde o semba era preservado, amado e dançado, evoluindo naturalmente com a chegada de instrumentos novos, eléctricos. Nas gravações presentes em «Os Reis do Semba» - álbum que reúne 50 temas de numerosos grupos e artistas angolanos dos anos 60 e 70 - as guitarras eléctricas e os órgãos competem com percussões acústicas na criação de uma música que faz a ponte entre as músicas tradicionais angolanas com as músicas anglo-saxónicas emergentes, abrindo espaço para a criação posterior da kizomba.

Mais de 50 mil exemplares!!! Foi isso que vendeu a colectânea «O Midjor di Kizomba», editada o ano passado pela Farol - e não se pense que foram só africanos a comprar o disco. Na continuação, o recente «O Midjor di Kizomba 2», a Farol volta a apostar em alguns dos nomes já presentes na primeira compilação e juntou-lhe alguns outros. Artistas angolanos, cabo-verdianos e imigrados na Europa, todos juntos em mais um caldeirão de dança pura, na festa desta música que tem as suas raízes no semba, os ramos no zouk das Antilhas e algumas folhas já a serem «contaminadas» pelo hip-hop ou o R&B. Artistas como Philipe Monteiro, Paulinha, Irmãos Verdades, Roger, Miss S, Isidora, Contu Nobo, Mel, Micas Cabral, Scarlette... E, como bónus, um DVD com mais aulas de como bem dançar kizomba e vídeos de dois dos artistas presentes (Roger e Paulinha).

Banda-sonora de um documentário que ainda aí vem, a colectânea «É Dreda Ser Angolano» (edição da U-hu Fazmisso! Filmes, com o apoio da Rádio Fazuma) contém parte da música captada nas gravações feitas para o documentário em Luanda. O ponto de partida, contam, é o Conjunto Ngonguenha (que aqui dão voz ao tema-título), mas nela estão também muitos outros nomes que protagonizaram o álbum «Ngonguenhação», do Conjunto Ngonguenha, e outros MCs e Djs emblemáticos da cena hip-hop angolana. A lista de participações na compilação é impressionante: Conjunto Ngonguenha, Conductor, Ikonoklasta, Keita Mayanda (os três do Conjunto Ngonguenha), Phay Grand, MCK, Cocas o FSM, Leonardo Wawati, Das Primeiro e Os Turbantes. E, ouvindo-se o álbum (à venda no site da Fazuma pelo preço simbólico de cinco euros), fica a certeza de que o hip-hop em Angola é uma voz livre na luta contra a corrupção e outros males da sociedade e, por outro lado, uma música que, apesar de ser devedora do hip-hop norte-americano, nela estão contidas - em samples, em ritmos, em cadências - muita música local: sembas, kizombas e, obviamente, kuduro (o último tema, d'Os Turbantes, é kuduro puro e duro).

Finalmente, e em «raccord», o último disco deste lote é o CD que reúne os melhores temas de dois discos de Dog Murras - um dos expoentes máximos do kuduro -, editado pela Frikyiwa de Frédéric Galliano, o mesmo que editou «Frédéric Galliano Presents Kuduro Sound System». E «Um Golpe na Obscuridade», assim se chama este álbum de Dog Murras, é uma surpresa para quem poderá ter do kuduro a ideia de esta ser uma música primitiva, simplista, até boçal. Dog Murras é um MC de voz potentíssima, grave e marcante, uma voz que está sempre ao serviço das mensagens fortemente politizadas do cantor. E, na sua música, há inúmeras referências a músicas tradicionais angolanas, batuques a servir de contraponto às programações electrónicas, coros que só poderiam sair de Angola. É um disco extraordinário, para pôr ao lado, nos escaparates da modernidade - de uma modernidade feita de elementos locais e/ou globais -, dos álbuns de M.I.A., dos Konono Nº1, dos Bonde do Rolê e, claro, dos Buraka Som Sistema. A descobrir com urgência.

18 setembro, 2007

Jazzin'Tondela com Magic Malik e Richard Bona!



Surpreendente, e importante, é o elenco do próximo Festival Jazzin'Tondela, que decorre de 4 a 6 de Outubro com concertos do flautista marfinense Magic Malik, do duo de Sofia Ribeiro e Marc Demuth, do pianista Mário Laginha e do grande baixista camaronês Richard Bona (na foto, de Ian Abela), com organização da ACERT. Dia 4, o festival começa com Magic Malik (Malik Mezzadri) - ele que se move tão bem nos meandros do jazz como da house ou do reggae via participações em álbuns de Groove Gang, Human Sipirit ou Saint Germain -, acompanhado por Jean-Luc Lehr (baixo), Maxime Zampieri (bateria) e Jozef Dumoulin (piano e teclados), e com o duo da cantora portuguesa Sofia Ribeiro e do contrabaixista luxemburguês Marc Demuth, que vêm apresentar o seu álbum «Dança da Solidão», num espectáculo em que cabem versões de temas de autores tão diferentes quanto Milton Nascimento, Carl Perkins, Cole Porter ou Janita Salomé. Dia 5, concerto único com o Trio liderado pelo pianista Mário Laginha (o habitual cúmplice de Maria João) e do qual também fazem parte outros dois «monstros» do jazz feito em Portugal: o baterista Alexandre Frazão e o contrabaixista Bernardo Moreira, que apresentam o álbum «Espaço». Finalmente, no dia 6, o palco é ocupado por Richard Bona, cantor e multi-instrumentista mas especialmente um enorme baixista, que ao longo da sua carreira tem feito uma viagem admirável entre o jazz, a música africana, o funk, o experimentalismo... Para se ter uma ideia, veja-se só alguns dos nomes com quem já colaborou: Didier Lockwood, Manu Dibango, Salif Keita, o recém-falecido Joe Zawinul, Lokua Kanza, Pat Metheny, Herbie Hancock, Chick Corea, Sadao Watanabe, Branford Marsalis, Regina Carter e Bobby McFerrin. Em Tondela, Bona será acompanhado por Etienne Stadwijk (teclados), Adam Stoler (guitarra), Taylor Haskins (trompete) e Samuel Torres (percussão). Mais informações aqui.

17 setembro, 2007

Brigada Victor Jara Vence Prémio José Afonso



O álbum «Ceia Louca», da Brigada Victor Jara, foi o vencedor do Prémio José Afonso 2007, atribuído pela Câmara Municipal da Amadora. Um prémio que foi atribuído por unanimidade pelo júri constituído por Olga Prats, António Victorino d'Almeida, Carlos Pinto Coelho, António Moreira e Natália Cañamero de Matos. No álbum «Ceia Louca», editado o ano passado, a Brigada Victor Jara teve como convidados nas gravações Carlos do Carmo, Vitorino e Janita Salomé, as Segue-me à Capela, Lena d´Água e Jorge Palma (ver crítica ao disco, no Raízes e Antenas, aqui). O Prémio José Afonso - o mais prestigiado na área da folk/música tradicional em Portugal - esteve um ano sem ser atribuído, o que provocou protestos generalizados dos músicos, jornalistas e amantes de música portuguesa em geral, tendo voltado este ano, em boa hora. E com um justo vencedor, apesar da concorrência ser forte: a Brigada Victor Jara, uma verdadeira instituição (no bom sentido da palavra instituição) da música portuguesa, já com mais de trinta anos de carreira e com um percurso ímpar na recriação e renovação do nosso cancioneiro tradicional/popular. Para o ano - e com a enxurrada de álbuns de homenagem a José Afonso saídos durante 2007 -, a tarefa do júri será particularmente difícil: votar ou não votar num deles, ou votar fora desse enorme caldeirão de tributos, será a grande questão. Por mim, se votasse nalgum desses votava de caras nos Couple Coffee...

14 setembro, 2007

Há Fado Feito no Estrangeiro? Há Pois, Cada Vez Mais...



A propósito de algum sururu em fóruns de discussão sobre fado acerca do destaque que é dado a artistas não portugueses que cantam no filme «Fados», de Carlos Saura - artistas como Lila Downs, Chico Buarque ou Lura -, enchi-me de coragem para meter a minha colherada em defesa do fado e da sua interpretação ou re-interpretação por parte de cantores e cantoras estrangeiros, com o «argumento», se tal fosse preciso, de que o fado é uma forma musical como outra qualquer e de que não é necessário nascer em Alfama ou beber uns copos no Bairro Alto - ou, no caso de Coimbra, ir carpir mágoas amorosas para a Quinta das Lágrimas -, para que o fado possa ser interpretado, ou reinterpretado, por quem o quiser. Ah, e a questão da alma, da saudade, etc, etc... Coisas menores, acho eu: já ouvi verdadeiro rock feito no Porto, excelente hip-hop feito na Amadora, já ouvi a Petra - dos Nobody's Bizness - a cantar blues como muito pouca gente e uns almadenses de nome Melech Mechaya a fazer klezmer como se fossem judeus de gema.

Vai daí, decidi deixar aqui vários nomes - mais do que aqueles que estava à espera quando iniciei a pesquisa - de cantores e cantoras estrangeiras, e também de intérpretes de guitarra portuguesa, que fazem do fado a sua música ou uma das suas músicas de eleição. Goste-se ou não - e isso já depende de cada um dos seus ouvintes -, é importante dar com eles: quase todos têm sites ou estão no myspace. Procurem-nos, por favor.

No Japão - onde a diva Amália Rodrigues deixou sementes, fruto das suas históricas actuaçõe por lá - há, pelo menos, duas cantoras de fado: Hideko Tsukida e Marie Mine. Ambas são neste momento acompanhadas, na guitarra portuguesa, por Masahiro Iizumi, que começou por tocar tango em guitarra clássica mas, desde há alguns anos, desenvolveu um estilo próprio na guitarra portuguesa.

No Brasil, para além do fado fazer parte da «ementa» de muitos locais de reunião de portugueses, cantores importantes como Caetano Veloso, Fáfá de Belém, Ney Matogrosso ou o já referido Chico Buarque (o maravilhoso «Fado Tropical») interpretaram fados. E Vinicius de Moraes compôs para Amália.

Há guitarras portuguesas espalhadas um pouco por todo o mundo, nas mãos de vários músicos - Jimmy Page, dos recém-ressuscitados Led Zeppelin, que ao consta nunca a conseguiu tocar por ser «muito difícil», mas também alguns mais corajosos como músicos do grupo argentino La Chicana ou do grupo belga Timna, que acompanhou a cantora Ghalia Benali num Intercéltico do Porto, há alguns anos atrás.

Em França há alguns luso-franceses a aventurar-se no fado: a já conhecida e respeitada cantora Bévinda, o jovem intérprete de guitarra portuguesa Philippe de Sousa e até um acordeonista que adapta fados para o seu instrumento: Toucas. Mas mais surpreendente é o caso de uma cantora franco-argelina, Alima, cantora do grupo Monkomarok, que a solo diz cantar um «fado franco-algérien», evocando influências de Steve Reich e... dos Madredeus.

Luso-americana, e agora radicada em Lisboa, a cantora e actriz californiana Michelle Pereira é um caso paradigmático de muita gente que se deixou apaixonar pelo fado. Actriz de algum sucesso nos Estados Unidos (pode ser vista, por exemplo, no filme «Os Dez Mandamentos - O Musical», ao lado de Val Kilmer, e chegou a entrar na série «Friends), há alguns anos veio estudar o fado para Portugal e por cá ficou.

Na Catalunha, o grupo EnFado - o nome diz tudo -, de Lérida/Lleida, existe desde 2002 e é um quarteto composto por Càrol Blàvia (voz), Raquel Garcia (violino e guitarra clássica), Carles Garrofé (guitarra clássica) e Gus Garcia (baixo acústico), cujas influências são Dulce Pontes, Mísia, Kátia Guerreiro, Mariza, Amália Rodrigues e... Maria del Mar Bonet.

Em Itália, desde há muitos anos que o intérprete de guitarra portuguesa Marco Poeta é conhecido. Recentemente, e já com um álbum editado, criou o projecto O'Fado (na foto), no qual conta com os famosos cantores Eugenio Finardi e Francesco Di Giacomo e com a jovem cantora Elisa Ridolfi, Michele Ascolese (guitarra acústica) e Paolo Galassi (baixo acústico). Também de Itália é outro intérprete de guitarra portuguesa, Loris Donatelli.

De Toronto, no Canadá, há notícias de um grupo, 15, liderado por Catarina Cardeal (voz) e Mike Siracusa (guitarra), que dá concertos de fado/blues. Dos 15 fazem também parte John Yelland (contrabaixo), Lou Bartolomucci (guitarra acústica e eléctrica) e Claudio Vena (viola d'arco e acordeão).

Finalmente - e obrigado Luís Rei pela dica -, também do Canadá vem um dos nomes mais surpreendentes: a cantora indo-canadiana Kiran Ahluwalia, que no seu último álbum, «Wanderlust», mistura poesia urdu com fado e blues saharianos. Na gravação do álbum, Kiran contou com a participação de José Manuel Neto (em guitarra portuguesa) e Ricardo Cruz (baixo acústico).

Se calhar, isto é apenas a ponta de um iceberg que está a crescer. E ainda bem! A ouvir sem preconceitos...

Nota: E aqui mais alguns acrescentos, fruto de pesquisas posteriores e, principalmente, da valiosa contribuição de leitores deste blog (muito obrigado!): os grupos argentinos Luz de Lágrima e Fadeiros, a fadista catalã Névoa, a basca Maria Berasarte, a francesa Jenyfer, o luso-francês Lúcio Bamond, a brasileira Joanna (com um dos seus álbuns inteiramente dedicado ao fado), a mexicana Marcela Ortiz Aznar, a polaca Marzena Nieczuja-Urbanska, a holandesa Nynke Laverman, a croata Jelena Radan, a chinesa Cao Bei e a indiana Sónia Shirsat. Para além disso, em comentário recente, chegaram os acrescentos de Charles Aznavour como compositor de alguns fados, um tema de Tom Waits inspirado no fado («The Part You Throw Away») e o álbum «Fadista» da cantora holandesa Lenny Kuhr.

13 setembro, 2007

Cromos Raízes e Antenas XXV


Este blog continua hoje a publicação da série «Cromos Raízes e Antenas», constituída por pequenas fichas sobre artistas, grupos, personagens (míticas ou reais), géneros, instrumentos musicais, editoras discográficas, divulgadores, filmes... Tudo isto sem ordem cronológica nem alfabética nem enciclopédica nem com hierarquia de importância nem sujeita a qualquer tipo de actualidade. É vagamente aleatória, randomizada, livre, à vontade do freguês (ou dos fregueses: os leitores deste blog estão todos convidados a enviar sugestões ou, melhor ainda!, as fichas completas de cromos para o espaço de comentários ou para o e-mail pires.ant@gmail.com - a «gerência» agradece; assim como agradece que venham daí acrescentos e correcções às várias entradas). As «carteirinhas» de cromos incluem sempre quatro exemplares, numerados e... coleccionáveis ;)


Cromo XXV.1 - Ali Farka Touré



Um dos maiores músicos e cantores das últimas décadas, Ali Farka Touré (Ali Ibrahim «Farka» Touré, nascido a 31 de Outubro de 1939, em Kanau, Mali, de etnia djerma/songai, e falecido a 7 de Março de 2006 em Bamako, Mali) foi o homem que fez a ponte entre a música tradicional da África ocidental e os blues, demonstrando - na prática e não só na teoria - onde nasceu a grande música negra norte-americana. Instrumentista de génio - na njarka e nas guitarras acústicas e eléctricas-, Ali Farka foi também um homem de acção, tendo contribuído decisivamente para o desenvolvimento da sua localidade de residência, Niafunké (o seu nascimento, vida e morte sempre balizados pelas margens do rio Niger). Para a história ficam muitos álbuns gravados a solo ou em parceria com gente como Ry Cooder, Toumani Diabaté ou Taj Mahal, e um concerto extraordinário e inesquecível no África Festival, em Lisboa, em 2005.


Cromo XXV.2 - Blowzabella



Pergunte-se a qualquer músico (ou quase) do circuito de recuperação das danças tradicionais europeias qual o grupo que mais o influenciou e a resposta só pode ser uma: os Blowzabella, grupo inglês nascido em 1978, em Whitechapel, Londres, pelas mãos de dois gaiteiros e flautistas (o australiano Bill O’Toole e o inglês Jon Swayne). Destes dois, foi Swayne que continuou a banda ao longo destas três décadas, tendo os Blowzabella sofrido numerosas mudanças de formação até ao actual line-up, um super-grupo formado, veja-se só, por Andy Cutting, Jo Freya, Paul James, Gregory Jolivet, David Shepherd, Barn Stradling e o próprio Jon Swayne. Ferozmente acústicos, usando e abusando de gaitas-de-foles, sanfonas e violinos, muitos tradicionais recuperados e muitíssimos originais entretanto compostos pelo grupo recriaram e criaram um reportório que agora é comum a milhares de outros músicos. Siga a dança!

Cromo XXV.3 - Esquivel



Esquivel - ou Esquivel!, com ponto de exclamação -, de nome completo Juan García Esquivel (nascido em Tampico, Tamaulipas, México, a 20 de Janeiro de 1918, falecido a 3 de Janeiro de 2002) foi um dos maiores representantes da música exotica e da música lounge, baptizado com epítetos como «The King of Space Age Pop» ou «The Busby Berkley of Cocktail Music». Pianista, fortemente influenciado pela música do seu país e de outros territórios da América Latina, Esquivel era também um apaixonado pelo jazz e pelo experimentalismo sonoro, nomeadamente com as possibilidades da emergente estereofonia. Tudo junto contribuiu para a sua criação de uma música nova e excitante que ficou conhecida como «Space Age Bachelor Pad Music». Em meados dos anos 90, e depois de décadas de apagamento, Esquivel foi reabilitado por muitos novos músicos das correntes electrónicas e ambientais que viram nele um dos seus maiores gurus.


Cromo XXV.4 - Nouvelle Vague



Os Nouvelle Vague são um dos melhores exemplos de como a pop pode coabitar pacificamente, de forma coerente e com frutos saborosos, com a chamada world music. A fórmula é simples: pegar em temas punk, new wave e pós-punk, todos eles emblemáticos, de finais dos anos 70 e dos anos 80 - de gente como os Joy Division, The Clash, Buzzcocks, Blondie, Depeche Mode, Tuxedo Moon, Dead Kennedys, The Cure, XTC, Echo and The Bunnymen, Cramps, etc, etc... - e afogar tudo em arranjos que vão beber essencialmente à bossa-nova brasileira mas também, pontualmente, a outros géneros latino-americanos. O resultado é quase sempre de elevadíssimo bom-gosto e faz justiça aos seus inventores, na primeira metade desta década: os franceses Marc Collin e Olivier Libaux, bem acolitados por excelentes cantoras como Anaïs Croze, Camille, Phoebe Killdeer, Mélanie Pain ou Marina Celeste.

12 setembro, 2007

11 setembro, 2007

Festa do «Avante!» - O Meio e a Mensagem



Não tem directamente a ver com a Festa do «Avante!» mas tem tudo a ver, lateralmente: ando a reler um excelente livro do meu amigo Mário Correia, «Música Popular Portuguesa», em que há um capítulo inteiramente dedicado à questão «o que é música de intervenção?». E para que serve; como funciona; se a música deve estar apenas ao serviço da palavra (da mensagem) ou não. O capítulo é centrado num debate que reuniu cantores como José Afonso, José Mário Branco ou Sérgio Godinho em... 1975, com mais alguns acrescentos de entrevistas nos anos imediatamente seguintes. E, apesar de ter algumas intervenções que já não fazem sentido 32 anos depois, ainda há por lá ideias que são tão válidas hoje como eram na altura e o serão sempre. Numa das citações mais valiosas desse capítulo, José Mário Branco diz que «Quando Paulo de Carvalho, a Amália Rodrigues, o Zeca Afonso, ou eu próprio cantamos qualquer coisa, a canção está a ser uma arma, porque comunicar com os outros é uma arma. Nós temos a possibilidade dessa comunicação de massas. Isso é que é a arma. Depois vamos ver ao serviço de quem ela está. Na cantiga (Nota: "A Cantiga é Uma Arma") eu digo que a canção é uma arma por isso. E depois "tudo depende da bala e da pontaria"; quer dizer, tudo depende realmente ao serviço de quem ela é posta».

Na Festa do «Avante!» deste fim-de-semana, houve muitas cantigas transformadas em armas, muitas mensagens que passam - sempre! - muito melhor quando o meio é a música, e a constatação de que há, cada vez mais, muitos músicos e cantores empenhados em fazer ouvir a sua voz ao serviço das suas ideias e ideais. Nem todos serão simpatizantes do Partido Comunista, mas raramente há um espaço como a Festa do «Avante!» para fazer passar estas mensagens. Mensagens simples e de fácil apreensão como o «Avante Camarada» metido por Luanda Cozetti no meio do «Com as Minhas Tamanquinhas», de José Afonso, no maravilhoso concerto dos Couple Coffee de homenagem ao compositor de «Grândola»; o «Happy Birthday Revolution» dos Levellers; a «Carvalhesa» - música sem palavras que diz mais que mil palavras - nas gaitas dos transmontanos Tíbia; a palavra de ordem com ecos de Abril «O Povo Unido Jamais Será Vencido», durante o fabuloso concerto de Sam The Kid - e, sim, o rap é a música de intervenção por excelência da actualidade; ou a afirmação de que a nota «fá» é igual numa kora, num balafon ou num sintetizador e que é igual em África, em Portugal e na América, tudo bem explicado por mestre Toumani Diabaté, durante o grande, lindíssimo, concerto que o maliano deu com a Symmetric Orchestra.

Ou outro tipo de mensagens, um pouco mais elaboradas, como quando se vê muita gente com lenços palestinianos a dançar a música klezmer dos judeus servida magnificamente pelos Melech Mechaya; as mensagens subliminares mas que visam a harmonia universal dos Blasted Mechanism, durante o seu concerto que pôs muitos milhares de pessoas aos saltos em frente ao Palco 25 de Abril; a convicção de que há uma imensa nação cigana, irmanada numa cultura e numa crença comum, espalhada por toda a Europa, no concerto da Fanfare Ciocarlia e convidados (com destaque para a espantosa cantora Esma Redzepova; na foto, de Sonia Balcells); de que há outra imensa nação, a «pátria língua portuguesa» de Pessoa, espalhada pelo mundo inteiro e unida em baladas, mornas, kizombas ou sembas cantadas pelos Sons da Fala; ou mensagens - simples ou complexas, escolha-se à vontade do freguês - de que a música é uma só e universal, e de que as mensagens são comuns e globais, como quando se ouve uma versão do «My Funny Valentine» para harpa e voz no belo projecto Ela Não É Francesa Ele Não É Espanhol; ou quando se ouve um excelente upgrade do afro-beat nos quentíssimos Tchakare Kanyembe; ou versões de temas de Adriano Correia de Oliveira pela Brigada Victor Jara, Manuel Freire e o Coro dos Antigos Orfeonistas de Coimbra ou de temas de Carlos Paredes pelas mãos de Ricardo Parreira e do mestre Fernando Alvim; ou, ainda, o fado virado do avesso e completamente reinventado pelos Deolinda. Como se todos estivessem a dizer (ou a cantar): oiçam, há mensagens antigas que ainda fazem todo o sentido; oiçam, há músicas velhas que podem ser novas; oiçam, há palavras que são balas e cantigas que são armas; oiçam!, sempre, oiçam!...

07 setembro, 2007

Festa do «Avante!» - A Partir de Hoje, em Atalaia



A Festa do «Avante!» começa hoje, na Quinta da Atalaia, Amora, Seixal, com uma excelente programação da qual demos conta, em parte, há algumas semanas e que aqui se repete (com alguns acrescentos lá mais para o fim do post). Ah, e é claro que o Raízes e Antenas publicará reportagem de muitos deles no início da próxima semana.

Auto-citando: Como atracções internacionais a Festa recebe a charanga romena Fanfare Ciocarlia, acompanhada por vários dos convidados que também participam no recente álbum «Queens and Kings», uma autêntica irmandade cigana: a diva Esma Redzepova (Macedónia), Jony Iliev (Bulgária), Kaloome (França) e Florentina Sandu (a neta de Nicolae Neacsu, dos Taraf de Haidouks; Roménia); do Mali - e de outros lugares do antigo império mandinga - chegam o mestre da kora Toumani Diabaté (na foto, de Mário Pires) e a sua Symmetric Orchestra; de Inglaterra vêm os veteranos do folk-rock Levellers; e dos Estados Unidos os blues do colectivo Chicago Blues Harp All Stars. No jazz, o destaque vai para o projecto Carlos Bica & Azul (em que o contrabaixista português é acompanhado pelo guitarrista alemão Frank Mobus e o baterista norte-americano Jim Black, grupo que protagonizou um dos melhores momentos - juntamente com o DJ Ill Vibe - do recente FMM de Sines), os Telectu (com Vítor Rua e Jorge Lima Barreto a serem acompanhados pelo baterista holandês Han Bennink e e o manipulador de electrónicas italiano Walter Pratti), o projecto In Loko de Carlos Barretto, o Sexteto de Mário Barreiros, o quarteto do contrabaixista Matt Pavolka e a cantora Jacinta (interpretando canções de José Afonso). Também a cantar José Afonso estarão o grupo luso-brasileiro Couple Coffee e a fadista Cristina Branco. Fado que terá uma noite especial com a presença de Ricardo Parreira e Fernando Alvim, Raquel Tavares, Chico Madureira, Aldina Duarte e Rosa Madeira, e ainda alguns «desvios» através dos Deolinda e do projecto In-Canto (de Luísa Amaro e Miguel Carvalhinho). Uma homenagem a Adriano Correia de Oliveira pela Brigada Vítor Jara e o cantor Manuel Freire, o super-grupo Sons da Fala - que reúne Sérgio Godinho (Portugal), Vitorino Salomé (Portugal), Tito Paris (Cabo Verde), Janita Salomé (Portugal), Luanda Cozetti (Brasil), Juka (São Tomé e Príncipe), André Cabaço (Moçambique), Guto Pires (Guiné Bissau) e Quikkas (Angola) e concertos especiais dos Blasted Mechanism (com o guitarrista António Chaínho e a Kumpa'nia Al-Gazarra como convidados) e a Tora Tora Big Band (reforçada pelas vozes de Milton Gulli, André Cabaço e Kika Santos) são mais alguns dos momentos de grande interesse da Festa. O rock dos Blind Zero, dos Peste & Sida e dos Anti-Clockwise, o rap de Chullage e de Sam The Kid, o projecto KoraSons (liderado pelo guineense Ibrahima Galissá, na kora, e o dinamarquês Mads Hoff, na guitarra), o super-grupo de música tradicional Quatro ao Sul (que reúne Rui Vaz e José Manuel David, dos Gaiteiros de Lisboa, com José Barros, dos Navegante, e Pedro Mestre), o grupo de versões de música de intervenção TriVenção e o Low Budget Research Kitchen (banda de tributo a Frank Zappa) também já estão confirmados no menu musical da Festa do «Avante!» deste ano. Um luxo.

E como acrescentos, alguns deles importantes, feitos nas últimas semanas: o novo grupo lisboeta que mistura folk e música antiga Tanira; os Pauliteiros de Miranda; a folk experimental dos albicastrenses Cibo Mosari; os ritmos latino-americanos dos lisboetas Los Cubos; o afro-beat dos portuenses Tchakare Kanyembe; os Tíbia (gaita-de-foles); o espectáculo Redondo Vocábulo com João Afonso e João Lucas; o reggae e outras músicas dos Black Bombain (de Alverca); e o klezmer dos almadenses Melech Mechaya. A descobrir...

06 setembro, 2007

Musidanças - O Aquecimento Num Cabaret


Invenção de Firmino Pascoal (Lindú Mona), o Festival Musidanças já existe desde 2001 e tem ocupado, discretamente, alguns espaços lisboetas nos últimos anos. Na sua edição de 2007, o festival está marcado para Novembro, no Institut Franco-Portugais, ainda com programa a anunciar. Mas, como aquecimento para o festival, estão a decorrer as Noites Mestiças Musidanças, em ritmo semanal - todas as quintas-feiras, às 23h00 - no Cabaret Maxime, à Praça da Alegria, em Lisboa, local onde se anunciam para este mês concertos do ex-vocalista dos Cool Hipnoise, Melo D, já hoje, dia 6; o soul-jazz do Groove 4tet, dia 13; o originalíssimo grupo que funde música portuguesa com música sueca do Stockholm Lisboa Project(na foto), dia 20, num concerto em que Simon Stålspets, Sérgio Crisóstomo, Liana e Luís Peixoto apresentam o seu álbum de estreia; e, dia 27, a Orkestra Musidanças, com André Cabaço, Lindú Mona e Guto Pires acompanhados pelo Quinteto de Johannes Krieger, num espectáculo que será gravado e editado pela Tinman Music. Paralelamente, as Noites Mestiças apresentam uma exposição da artista plástica e marionetista Denise Souto. Mais informações aqui e aqui.

04 setembro, 2007

Músicas do Mar - Um Festival de Boas Ondas



A Póvoa de Varzim está de parabéns pelo nascimento de mais um festival da chamada «world music», Músicas do Mar, que decorreu este fim-de-semana sempre com boas assistências e com excelentes concertos dos nomes congregados - alguns em estreia absoluta no nosso país - no programa. Não cheguei a tempo de ver o concerto de Joel Xavier, mas o primeiro dia, quinta-feira, compensou largamente a longa viagem (três horas e meia de comboio e uma hora de metro entre Campanhã e a Póvoa) com um fabuloso concerto, no palco principal, do baterista nigeriano Tony Allen - aquele que Fela Kuti teve que substituir por três bateristas depois de o despedir -, muito bem acolitado por uma banda mista de músicos negros e brancos que serviram um poderosíssimo cocktail de afro-beat, funk, soul e jazz on the rocks, sempre com o mestre Allen a comandar a «orquestra» com mãos... de veludo. No segundo dia, no Diana Bar, a abertura deu-se com um maravilhoso espectáculo semi-musical semi-teatral dos almadenses O'QueStrada, desconstrução e reinvenção de fados, mornas, bossas e outras músicas, com a cantora Miranda a seduzir o público e o guitarrista a rappar e a raggar e a dançar. Para continuar, no palco principal, com uma grande surpresa: o cantor cipriota grego Alkinoos Ioannidis, que começou o concerto com algumas alusões ao rock progressivo mas seguiu depois por um caminho mais lírico, mais etéreo e encantatório que revelou momentos de uma beleza imensa. A noite terminou com a dupla de DJs Raquel Bulha e Álvaro Costa, que - num belíssimo anfiteatro também perto da praia - misturaram world, rock e pop, explicando sempre, em jeito radiofónico e didáctico, o que estavam a passar. No sábado, e depois de uma actuação bailante e contagiante dos italianos Anonima Nuvolari perto da praia e na Rua Junqueira - que terminou com muita gente a dançar o «Bella Ciao» - e do excelente jazz subtilmente contaminado pelo tango e pelas milongas dos argentinos Escalandrum, no Diana Bar, outra surpresa: os brasileiros Eddie tomaram de assalto o palco principal com a sua visão personalizada do mangue beat, em que se podem encontrar pontos de contacto com a Nação Zumbi, Carlinhos Brown ou os Mestre Ambrósio, mas sempre com uma frescura e uma alegria contagiantes. Uma festa que seguiu depois para o Anfiteatro com mais uma sessão furiosa, inventiva e movimentadíssima do grande Bailarico Sofisticado (e a festa não terminaria sem um after-hours, madrugada fora, numa esplanada e na... praia com os Anónima Nuvolari a comandar a jam). Domingo, último dia, mais festa pelas ruas da cidade com os sintrenses Kumpa'nia Al-gazarra, trupe pseudo-balcânica que «engana» toda a gente com as suas vestimentas, caras farruscas e instrumentos já muito bem oleados na arte de mimar as «ciganadas» de Leste. E, para terminar o Festival em beleza, o melhor concerto de todos: os fabulosos catalães La Troba Kung-Fú (na foto, de Marta Pujol), alguns deles saídos dos seminais Dusminguet, que pegaram fogo ao recinto com muitos ritmos latino-americanos (salsa, son, cumbia, mariachi, ranchera...) à mistura com punk, ska, alusões a manhosices eighties como o... «Eye of The Tiger»; e tudo isto ao serviço de uma rumba catalã que está mais viva do que nunca! Um festival que também foi feito da companhia de bons amigos; de uma ementa rica em rojões, tripas, francesinhas, filetes de polvo e pescada; e com o mar ali ao lado (ali ao lado das músicas). Pode querer-se melhor?