23 dezembro, 2008

Re-Post: Melech Mechaya Encerram Digressão em Lisboa (E Ainda Há Mais Festarola a Seguir)


Só para refrescar a memória: os Melech Mechaya - aquela nobre instituição almadense de klezmer, música balcânica e surf-rock que semeia festas em todos os lugares onde toca - encerram a sua digressão de 2008 com um concerto no Santiago Alquimista, em Lisboa, dia 27 de Dezembro. E não vão estar sozinhos: na primeira parte terão os Atma - projecto de world music entendida de forma global e alargada - e, para «after-party», o DJ António Pires (pois...) promete, desde já, dar continuidade à festa. Os Melech Mechaya são João Graça (violino), Miguel Veríssimo (clarinete), André Santos (guitarra), João Sovina (contrabaixo) e Francisco Caiado (precussões) e, ainda antes do Santiago Alquimista, podem ser vistos dia 26 de Novembro no Teatro Municipal da Guarda.

19 dezembro, 2008

Bailes de Passagem d'Ano em Coimbra


À semelhança do que aconteceu no «réveillon» do ano passado, os cultores das danças tradicionais podem dirigir-se outra vez a Coimbra para mais uma passagem d'ano bailante. Todos os pormenores:

«Festival Passagem d'ano em Coimbra

Repetindo a façanha de há 365 dias atrás, o Centro Norton de Matos, a Tradballs e o Rodobalho preparam-se para celebrar na alegria a entrada do novo ano.

No Centro Norton de Matos, em Coimbra, o ano terminará alegre com o baile e as melodias tradicionais para dar lugar a nova alegria para mais 365 dias. De 31 a 3 de Janeiro, quatro dias de energia, de descoberta, de partilha e com os relógios atirados a um canto.

Os convidados são os Franceses Boreale, os Portugueses Toques do Caramulo (na foto, de André Brandão), Mu, No Mazurka Band, João Gentil e Luís Formiga, Quarto Minguante e Mosca Tosca. Cada um deles dono de formas soberbas de interpretar a cultura musical tradicional, formas enérgicas de construir o baile e com isso contagiar o público, que esquece que lá fora o tempo [a desculpa da celebração] escorre mas que dentro perde o sentido.

Durante o dia preenche-se o relógio de workshops de dança, de instrumentos, projecção de vídeo e jam sesssions. Na noite o baile é rei e partilha-se o que a tarde ensinou. Um programa simples, mas rico, sem preconceito, mas recheado».

Mais informações, aqui.

10 dezembro, 2008

Cantos na Maré - A edição 2008 Começa Hoje


Com direcção artística da cantora Uxía e direcção musical de Paulo Borges, a edição deste ano do Cantos na Maré - Festival Internacional da Lusofonía, inicia-se hoje, dia 10, em Pontevedra, Galiza, com uma mostra de cinema e continua nos próximos dias com um grande concerto que vai reunir Paulinho Moska (Brasil), Sara Tavares (Cabo Verde), Waldemar Bastos (Angola), Sérgio Godinho (Portugal) e Xabier Díaz (Galiza) - no dia 13 -, encontros com artistas lusófonos e a constituição de uma rede de agentes e produtores ligados à música do espaço lusófono.

Para quem não sabe, o Cantos na Maré - Festival Internacional da Lusofonía «é un proxecto cultural pioneiro e exclusivo no estado español, creado en Galiza cunha singular aposta cultural: trazar a través da lingua, da música, dos ritmos e dos sons un mapa común entre os territorios da lusofonía que comparten raíces.

CNM é unha iniciativa de aproximación de culturas e do fomento da diversidade, da interacción e da apertura de oportunidades á creación artística e ao intercambio.

O espectáculo musical, baseado na investigación e no enriquecemento, representa un dos eixes básicos da estrutura do proxecto. Este intercambio cultural activo é a base da filosofía, resultando un produto musical exclusivo de altísima calidade artística e humana».

Toda a informação, aqui.

09 dezembro, 2008

Tiago Pereira e B Fachada apresentam a «Tradição Oral Contemporânea»


TRAILER bfachada Tradição oral contemporânea from Tiago Pereira on Vimeo.

O realizador Tiago Pereira - o mesmo de «Arritmia» - e o cantor, músico e compositor B Fachada (que há pouco tempo lançou o seu novo EP, «Viola Braguesa», através da FlorCaveira) juntaram-se para filmar «Tradição Oral Contemporânea», mais um OVNI sonoro-visual de Tiago Pereira. Aqui em cima fica o trailer do filme e, aqui em baixo, o texto de B Fachada acerca do mesmo:

«Num impulso construtivo de análise do processo de tradicionalização, um documentarista do tradicional, Tiago Pereira, convida uma princesa da Pop, B Fachada, à auto-reflexão em torno das noções de autoria e criação. É este o ponto de partida.

Os dois viajam a um centro da Tradição Oral por excelência com o propósito de cruzar o processo estético urbano do músico com a criação comunitária rural; a troca de repertório e de metodologias com as vozes do campo é bem sucedida e acaba por transcender o projecto inicial. Simultaneamente, uma exploração visual do imaginário citadino do B Fachada constrói o paralelo entre a criação colectiva pelo indivíduo da Tradição rural com a criação individual pelo colectivo da Pop urbana.

A sobreposição da lírica comunitária com a lírica individual, da variação comunitária com a inovação individual levanta questões de interesse generalizado — Como é possível que romances comunitários cantados ha quinhentos anos possam tão explicitamente relacionar-se com canções de autor de há 5 semanas nos métodos e nos propósitos? Como pode a autoria artesanal urbana ser tão semelhante à variação rural da Tradição Oral?

Salvemos o Giacometti da triste desculturalização rural e mostremos-lhe o
frenético comunitário da urbe


Pré-exibição para a imprensa no dia 18 de Dezembro às 18h30 na ZDB.
ESTREIA NA GALERIA ZÉDOSBOIS NO DIA 9 DE JANEIRO».

07 dezembro, 2008

Festival Etnias - Músicas do Mundo (de Cá) no Contagiarte


Parece que foi ontem, mas o Contagiarte já abriu as suas portas há meia década! E já muito - e de muito bom!!! - se passou por lá. Para comemorar a data, o Contagiarte apresenta mais uma edição do Festival Etnias, no próximo fim-de-semana, com um programa onde se destaca a presença dos OliveTree (na foto), Atlântida (novo projecto de alguns dos nomes ligados aos Frei Fado d'El Rei, Lúmen e Roldana Folk), Madandza e Semente. O programa, completíssimo, aqui em baixo:

«CONTAGIARTE

Espaço de sensibilização, formação e dinâmica culturais


Apresenta


ETNIAS – Festival de Músicas do Mundo

6ªedição / Dez. 2008


Dias 11, 12 e 13 de Dezembro

Evento de comemoração do 5º aniversário do espaço cultural Contagiarte


Os ritmos e culturas que não queremos ver perdidos, tesouros da humanidade, traduz-se, para nós, no Etnias, um festival assente numa programação que celebra as sonoridades e danças das culturas dos povos do mundo. O Etnias celebra também o aniversário do Contagiarte, foi este o evento que abriu as portas a um espaço cultural que se transformou num dos mais emblemáticos da cidade e do país. A edição deste ano conta com os OliveTreeDance (étnico), Atlântida (fusão/worldmusic), Duo Leandro Ferrer e António Dias (jazz manouche), Ma (performance com influências Butoh), Semente (afro), Anaidcram (indiana) e Madandza (afro). Durante três dias consecutivos, 11, 12 e 13 de Dezembro, o Contagiarte e o Etnias celebram em conjunto cinco anos de cultura.


Passados cinco anos, muita coisa mudou. Consolidámos o projecto, conseguimos que, finalmente, ele fosse visto como um espaço de formação, de acolhimento, onde “acontecem coisas”. As pessoas que nos visitam ganharam o estatuto de “ALUNOS”, de “PÚBLICO”. É para isso que cá estamos, para fazê-los participar. Ao fim de cinco anos fizemos deste espaço um ESPAÇO CULTURAL de reconhecimento público. Venham mais cinco!


PROGRAMA


Dia 11, quinta-feira

22h30

MA


Ma significa na língua japonesa, o espaço negativo, entre ou de ligação, onde a dança acontece. Quando sintonizamos o corpo numa determinada frequência, consequentemente obtemos uma ressonância. De acordo com a frequência obtemos ressonâncias diferentes. O mundo, incluindo o nosso corpo e alma, consiste de ondas vibracionais que criam ressonâncias, como ecos. O inimaginável não é um lugar, tão pouco um momento, mas circunscreve-se, como configurações singulares da consciência. Ma é uma aproximação focada no diálogo entre a gravidade e a integração do corpo na imagem e nos sentidos, utilizando a linguagem de dança aérea, butoh, e clown.

Ideia Original Paulina Almeida Música Original Martin Ertl Intérpretes Paulina Almeida e Martin Ertl


Dia 11, quinta-feira

23h30

DUO LEANDRO FERRER & ANTÓNIO DIAS


Uma vez duas velhas raposas juntaram-se para formar um dueto de violões e viajar por um repertório de originais no estilo Jazz Manouche, de originais da autoria de Leandro Ferrer. Este projecto marca também o regresso de Leandro Ferrer aos concertos e ao mundo da música, depois de alguns anos afastado da guitarra, eis que as profusas composições melódicas dos temas apresentados fazem viajar os ouvintes pelo universo do flamenco e do jazz Manouche.


Leandro Ferrer e António Dias violão acústico



Dia 11, quinta-feira

00H15

OLIVETREEDANCE




Com a sua bombástica performance recheada de ritmos tribais étnicos a roçar as sonoridades da dancemusic electro urbana, esta banda não podia ser a melhor para abrir em grande o certame deste ano. Anualmente galardoados pelas suas exibições originais foram no ano de 2008 os NOVOS TALENTOS FNAC e serão graças ao prémio de melhor musica no concurso ROCK RENDEZ WORTEN a banda que entrará na compilação NOVOS TALENTOS WORTEN 2009. Com a união do Didgeridoo Bateria e Multipercussões espera-se, na cave, momentos Underground de folia total. - Vamos Subiiiirr!!!


http://www.myspace.com/olivetreedance


01H00

NOITE FOLK – noite de danças tradicionais europeias conduzidas pelo programador do festival, Hugo Osga.



Dia 12, sexta-feira

22h15

ATLÂNTIDA


O grupo Atlântida nasce como um processo natural da aproximação de músicos influenciados por vários estilos musicais e pelas suas diferentes personalidades.
Deste encontro resulta uma original fusão de géneros com variações a nível do tempo, do estilo e do ritmo com uma dinâmica muito própria. Através da voz, das percussões, das duas guitarras, do baixo acústico, do violoncelo e do acordeão, viajamos ao mundo do Fado na companhia dos acordes do flamenco e os ritmos do tango.


Alexandra Guimarães voz principal João Campos guitarra clássica, flauta e voz
José Flávio Martins baixo acústico e percussões Fátima Santos acordeão Miguel Antas Teixeira guitarra e percussões João Paulo violoncelo e percussões


www.myspace.com/aatlantida



Dia 12, sexta-feira

23h45

SEMENTE


Semente é uma amálgama de influências de África (costa Oeste, de etnia mandinga), Cuba, Brasil e Uruguai, entre outros.


Os ritmos poderosos dos djembés, dununs e tambores de Candombé, as chicotadas vigorosas das congas, as melodias encantadoras do balafon, a folia do samba aliam-se às coreografias étnico-contemporâneas, tornando este um espectáculo de forte carácter visual e sensitivo.


Já passaram por muitos palcos, dos quais se destacam: Festa Vmanize It (Hard Club), PortÁfricas II, “Fazer a Festa” (Palácio de Cristal), Festival Etnias (Contagiarte), Festival Andanças (S. Pedro do Sul), Abertura da Casa da Música, Festas de Valldoreix (Barcelona), Boomfestival, Freedom Fest., Fiestizaje’07 e ’08 (Léon, Espanha), Casa das Artes de Famalicão, Plaza de San Francisco (Canárias), entre muitos outros.


www.myspace.com/sementept


Andrés Tarabbia (Pancho) congas, tambor Chico, djembé, dumbas, cajon, repique, caxixi, claves, efeitos, lagostão, repenique Eva Azevedo fundadora, produção, dança, shekeré, chocalhos Dora Borges dança, shekeré , chocalhos Luís Lopes balafone, bolon, krin, dumbas, djembé, shekeré, choca, chocalhos, efeitos Márcio Pinto dumbas, congas, tambor chico, cabaça, caixa, tamborim, pandeiro, caxixi, shekeré, efeitos Mariana Rute Costa voz, shekeré Paulo das Cavernas fundador, djembé, n’goni, bolon, tama, congas, cuica, tamborim, repenique, bongós, choca, efeitos, voz

Vanessa Fernandes dança, shekeré , chocalhos Bilan voz, baixo, dumbas, efeitos



01h00

INNYANGA – sonoridades afro



Dia 13, sábado

22h15

ANAIDCRAM


Anaidcram já leva anos de pesquisa e viagens a vários países, para sentir e aprender desde a raiz. Tendo um trabalho multicultural, a seu ver, só é possível se houver esta interacção cultural criando um espectáculo, que leva também o espectador a sentir o sabor destas várias viagens, através da musica, dos instrumentos, dos diferentes idiomas usados nos temas ,da riqueza das danças, desde as clássicas às tradicionais, de cerimonias ou da colorida indumentária . Tudo isto cria um espectáculo único, cheio de poesia musical e de movimento.


Marc Planells sitar, alaud ,kangira e canto Ricardo Passos percussão, saz e canto Diana Rego dança

www.myspace.com/anaidcramdance

Dia 13, sábado

23h45

MADANDZA


"Não há música sem prazer, nem há prazer sem música." provérbio Malinké. Madandza é um grupo de percussão e dança tradicional malinké. Fundado em 2004, é um projecto que se baseia na pesquisa e exploração da cultura malinké (cerimónias, rituais e tradições ancestrais da zona oeste de África). Madandza é igualmente reconhecido por desenvolver e colaborar em vários projectos de acção social, de acção educativo/cultural e de acção comunitária com as populações desfavorecidas. ACÇÃO SOCIAL – Madandza tem integrado e desenvolvido projectos direccionados para grupos de risco (crianças e jovens desfavorecidos); na área da gerontologia e na área do ensino especial. ACÇÃO EDUCATIVO/CULTURAL – Estas acções pretendem alertar junto das comunidades locais, para a necessidade do diálogo inter-cultural e do respeito pelas diferentes tradições e estilos de vida. ACÇÃO COMUNITÁRIA – Madandza tem colaborado com diversas organizações de índole social e comunitária (ISU, APPACDM), assim como pretende desenvolver projectos comunitários como o realizado em 2007/2008 designado “Viana-Conakry” ACÇÃO ARTÍSTICA – O grupo é actualmente constituído por 5 músicos, três bailarinas e uma vocalista. Tanto a sua vertente de espectáculo como de animação são reconhecidas pela qualidade musical e coreográfica, pela energia de palco e pela capacidade de expressar simbolicamente sentimentos e valores culturais associados ao império malinké.



Músicos Armando Santos, Pedro Amaro, Zé Puto, Pedro Veloso, Nuno Presa

Bailarinas/ Voz Isa Santos, Rita Santos, Bárbara Gonçalves e Fabíola Fernandes


http://www.myspace.com/madandza


01h00

Fuego & Tumbao – sons latinos



ACTIVIDADES PARA-FESTIVAL


WORKSHOP DE DANÇA CLÁSSICA INDIANA

Professora: Diana Rego

Dias: 15 e 16

Horário: 18h00 às 20h00

Valor: 30€


Odissi é o nome da dança do Este da Índia. Inicialmente esta dança era realizada dentro dos templos de Orissa, como uma das principais oferendas a deus

Odissi é caracterizado pelos seus movimentos suaves e líricos contrastando com outros exactos e precisos. Tem um forte lado feminino, devocional, belo e vasta qualidade expressiva, assim como um intricado trabalho rítmico acompanhado pelo pakawaj drum, que é seguido lealmente pelo “sapateado a pé descalço “ do bailarino.


Esta dança é uma meditação em movimento. O corpoo torna-se uma escultura e dança contando histórias da mitologia hindu. Este curso é de interesse para todo o tipo de bailarino e performer, pois há um forte trabalho de consciência corporal, rítmica e expressiva (teatral).


Exposição de Fotografia

Inaugura dia 9 de Dezembro

22h30

Rota da Seda e Cazaquistão de baixo orçamento


Estas são algumas fotografias que contam a história de uma viagem de quatro semanas que percorre parte da histórica Rota da Seda da Ásia Central, na Quirguízia e no Uzbequistão, e numa parte do Cazaquistão. Passei por lugares míticos, como Tashkent, Samarcanda e Bukhara. Quase todos têm uma história que começa séculos antes de haver qualquer forma mais organizada de civilização na Europa Ocidental. Foram palco de intensas trocas comerciais, culturais e intelectuais entre o Ocidente e o Oriente, que só diminuíram com a descoberta da rota marítima para a Índia pelos portugueses. A era soviética não podia ser mais diferente. O planeamento urbanístico cinzento típico e o culto da personalidade dos líderes deixaram as suas marcas. É em grande parte este contraste que é interessante mostrar.


Joost De Raeymaeker fotojornalista


Sobre o fotógrafo

é um fotojornalista belga residente em Lisboa. Depois de ter tirado um curso superior como músico no jazz-studio em Antuérpia e de ter feito a licenciatura em história na ufsia em Antuérpia, na flup no Porto e na rug en Gent, dedicou-se durante alguns anos à segurança informática como sócio gerente da rsvp consultores associados. Depois destes anos a usar demasiado o seu hemisfério cerebral esquerdo, voltou aos bocados a activar o seu hemisfério direito através de uma paixão dormente, a fotografia. Primeiro dedicou-se à impressão a preto e branco e usou o tempo para aperfeiçoar a técnica fotográfica. Em 2004 dedica-se definitivamente à fotografia, na área do fotojornalismo. Expôs em Portugal, na Irlanda, na Bélgica e publicou em vários títulos nacionais como o expresso (única), grande reportagem, notícias sábado, futebolista, evasões, destak, toportugal, magazine - grande informação, e internacionais como metro, télérama, le monde 2 (frança), tv sorrisi, popʼs (itália), souls, the express (usa) e muitas outras. A sua paixão é desenvolver reportagens de fundo sobre assuntos sociais do nosso tempo, mas ao mesmo tempo não tem vergonha nem medo de fotografar casamentos, baptizados, retratos ou de cobrir eventos.



Para mais informação seguem contactos:

Produção – Ana Saltão 91 604 70 40

Comunicação – Daniela Reis / Ana Saltão 222 000 682 (espaço Contagiarte)

Programador – Hugo Gomes (Osga) 96 244 36 41

contagiarte@contagiarte.pt

Entrada livre no dia 11 de Dezembro, comemoração do 5º aniversário do espaço cultural Contagiarte;

Restantes dias, entrada 2€.»

04 dezembro, 2008

Festival One Man Band - Com Muitos Blues (E o Resto)


Quatro dias de concertos, neste e no próximo fim-de-semana, em dois locais diferentes (Guimarães e Torres Novas), com muitos nomes dos blues - mas não só - mas todos (ou quase) com uma característica comum: cantarem e tocarem vários instrumentos ao mesmo tempo. Sejam os que usam guitarras e bombos sejam os que utilizam a ajuda de novas tecnologias, os artistas foram todos escolhidos por Paulo Furtado (na foto), que também actua sob o seu alias The Legendary Tiger Man, destacando-se na programação os nomes dos bluesmen muito poucoo ortodoxos Son of Dave e Bob Log III e o da blueswoman Becky Lee. A programação completa:

Guimarães - Centro Cultural Vila Flor

5 Dezembro
The Legendary Tiger Man + Becky Lee

6 Dezembro
Bob Log III + Dj Session "Sean Riley"

12 Dezembro
Son Of Dave + DJ Session "A boy named Sue"

13 de Dezembro
Projecto Especial "Slimmy + Dj Ride" + DJ Session "Da Flux"

Torres Novas - Teatro Virginia

5 Dezembro
Bob Log III ´Dj Session "Sean Riley"

6 Dezembro
Becky Lee ´Dj Session "Da Flux"

12 Dezembro
Projecto Especial "Slimmy + Dj Ride" + DJ Session "Dj Ride"

13 de Dezembro
Son Of Dave + DJ Session "A boy named Sue"

02 dezembro, 2008

Amélia Muge Canta(-se) no CCB


Muitas das canções que Amélia Muge compôs para outros artistas vão agora ser ouvidas através da sua própria voz, no espectáculo «1 Autora, 202 Canções», que Amélia Muge vai apresentar no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, dia 7 de Dezembro, tendo como convidados Ana Moura e Gaiteiros de Lisboa. O texto de apresentação do concerto, escrito pela própria autora:

«Talvez por necessidade, talvez por resposta aos que me seguem, quando acabo um trabalho já estão na forja muitos outros.

Se a criação fosse uma espécie de floresta-estufa diria que quando já existem plantas prontas a sair, há outras que ainda são apenas semente, outras já no viveiro, outras ainda simplesmente a precisar de tempo p’ra crescer.

Quando o António Cunha da UGURU me propôs, de certo modo, a entrada do agente sanitário, do comprador de plantas, do expert em inventários, isto é uma revisão da matéria produzida até aí, saí da estufa, esqueci a floresta e fui ao escritório, ao livro de registos, consciencializei as compras, os gostos gerais, os mais particulares, os únicos.

É tempo, sobretudo, de recolecção em prados conhecidos. De pegar em cada canção, olhá-la como se olha uma planta, ponderar o que é fruta, flôr, cacto ou arbusto, escolher as mais resistentes, as que melhor se darão no mercado da praça, as mais vistosas, eventualmente as que, com formas estranhas, possam chamar a atenção porque definitivamente, mais ninguém tem iguais para vender.

É tempo de recolecção. De pôr as canções todas “numa carreirinha, para ver até onde eu cheguei”, como dizia a Rosa Ramalho a propósito das suas peças de cerâmica.

Não serei seguramente só eu a fazer a escolha. Lembrarei, é claro, as que são mais fáceis de transportar, as que têm mais perfume, as que são mais resistentes, as que ficam de certeza, muito melhor na janela do vizinho do que na minha».

Mais informações, aqui.

01 dezembro, 2008

Concha Buika - Concerto em Lisboa (e com Mariza como Convidada)


Outra excelente notícia, na sequência de outras muito boas aqui em baixo: a cantora espanhola Concha Buika - da qual foi editada recentemente a edição especial de «Niña de Fuego», com um disco-bónus e um livro com muitas fotografias e poemas inéditos - regressa a Portugal, desta vez para um espectáculo em Lisboa, depois de há alguns meses ter assinado um dos momentos mais altos do festival Med de Loulé. Mas, desta vez com banda e com uma convidada especial, Mariza. Uma notícia da Lusa dá conta do essencial:

«A cantora espanhola Concha Buika, nomeada para os Grammy latinos deste ano com o álbum "Niña de Fuego", actua dia 16 de Dezembro no Centro Cultural de Belém em Lisboa, anunciou a sua produtora.


"Niña de Fuego" está nomeado na categoria "Melhor Álbum", e o seu produtor, Javier Limón, o mesmo do álbum "Terra" de Mariza, na categoria Folclore, está também a concurso para o Grammy Latino “Melhor Produtor”.

O espectáculo em Lisboa de Concha Buika conta com a participação especial de Mariza.

Em palco acompanham a cantora de Palma de Maiorca Ivan 'Melón' Lewis ao piano, Danny Noel no baixo, Ramón Porriña nas percussões flamencas e Horacio 'El Negro' Hernandez na bateria.

Concha Buika, de origem guineense, colaborou na década de 1990 em projectos de hip hop e com os La Fura dels Baus.

Editou o seu primeiro disco, "Buika", em 2005, mas foi com o segundo álbum, "Mi Niña Lola", que saltou para a ribalta da música espanhola.

Buika gravou com Mariza o tema "Pequenas Verdades", um original de Limón, no último álbum da cantora portuguesa».

28 novembro, 2008

Lisboa Mistura - Celebração da Mestiçagem em Lisboa


Com organização dos Sons da Lusofonia, o Cinema São Jorge, em Lisboa, recebe hoje e amanhã (sexta e sábado) mais uma edição do Lisboa Mistura, mais uma manifestação de partilha musical e de ideias entre muita gente - e de muitos lados do mundo - que faz de Lisboa o seu centro de criação (e, daqui a alguns dias ainda haveremos de falar de algo semelhante, com o concerto do projecto Cooligação). Mas, deste vez - e é esta a notícia - no palco do São Jorge vão estar, alguns juntos no espectáculo Lis-Nave, outros em concertos em nome próprio, músicos, DJs, MCs, actores, bailarinos e cantores como Bob The Rage Sense, NBC, Cacique 97, Kimi Djabaté, Projecto Fuga, Batoto Yetu, Marta Hugon, André Fernandes, Makongo, Couple Coffee, Kronik, DJ Ride, Afro Blue DJs, Macacos do Chinês, Farra Fanfarra, Mário Lúcio, Dazkarieh (na foto, de André Antunes), Diogo Dória, Clara Andermatt, Milton Guly, Sagas, Dama Bete, Cruzfader, DJ Ride, Nel’Assassin e Orelha Negra (uma nova aventura de Sam the Kid), entre outros.

Segundo um texto oficial da organização, «Lisboa Mistura foi pensado como um lugar de observação e de acção na cidade para compreender melhor os possíveis caminhos abertos pelas misturas, simples ou complexas, que a toda a hora se concretizam. Surge da necessidade de criar um lugar de intervenção intercultural onde a criatividade humana é assumida como um poderoso instrumento de comunicação, de união e de clarificação das nossas diferenças, em que muitas vezes o "outro" também somos nós. Foi também com este objectivo que pensámos o livro Lisboa Mistura, uma reflexão sobre a cidade de Lisboa com textos, fotos e imagens dos lisboetas e da cidade. Um novo documentário, resultante dos 13 programas Lisboa Mistura TV, será lançado também, em ante-estreia no primeiro dia do Festival. O Festival Lisboa Mistura 2008 no Cinema São Jorge permite-nos trazer ao centro da cidade, pelo terceiro ano consecutivo, outros sonhos, outras pessoas que normalmente não têm possibilidade de se apresentar num festival intercultural no coração de Lisboa. Será um sitio de encontros de artes, de pessoas, de culturas e de vários projectos, como um postal ilustrado da Lisboa de hoje. O sucesso do Festival em 2007 no Teatro São Luiz traz-nos a esperança de que esse sucesso se repita nesta edição».

Toda a informação, aqui.

27 novembro, 2008

Gatham Brothers - Música do Sul da Índia na Aula Magna


É já hoje, quinta-feira, às 21h00, que os Gatham Brothers, legítimos representantes da música carnática, actuam na Aula Magna, em Lisboa. O comunicado de imprensa, a seguir:

«Os Ghatam Brothers, constituídos pelos irmãos Prathap e Prakash, naturais de Bangalore e actualmente radicados em Londres, já actuaram em algumas das mais conceituadas salas da Europa, tais como o Royal Albert Hall e a Royal Opera House de Londres e apresentam-se agora em Portugal pela primeira vez para um espectáculo único de música carnática, ou seja, música clássica do sul da Índia e Sri Lanka.
Artistas versáteis, embora de formação clássica participam regularmente em projectos de jazz e de música de fusão, tendo já colaborado com, entre muitos outros, Massive Attack, Talvin Singh e Shivanova».

26 novembro, 2008

Natacha Atlas (de Surpresa!) no Estoril...


Assim, de surpresa, surge a notícia de que Natacha Atlas vai actuar no Centro de Congressos do Estoril. No comunicado da organização do concerto, a Everything Is New, pode ler-se:

«Natacha Atlas actua dia 7 de Dezembro no Auditório do Centro de Congressos do Estoril, onde apresentará o novo álbum, “Ana Hina”, editado no início do ano.

A cantora belga de origem egípcia, Natacha Atlas, começou a dar que falar como vocalista (e bailarina de dança do ventre) dos Transglobal Underground, um reputado projecto britânico que mistura electrónica com World Music.

A carreira a solo começou em 1995 com o álbum, “Diáspora”, também produzido pelos Transglobal Underground, que conferiu, imediatamente, à cantora o estatuto de artista de culto.

A tremenda voz de Natacha Atlas levou-a a colaborações com artistas tão importantes como Jean-Michel Jarre e Belinda Carlisle, bem como a versões únicas de grandes clássicos como “I Put a Spell on You” de Screamin' Jay Hawkins, celebrizada pelos Birthday Party de Nick Cave.

O oitavo disco a solo chegou em Maio deste ano. “Ana Hina” inclui várias versões acústicas de canções originais de Fairuz (cantora libanesa popularizada na década de 70) e Abdel Halim Hafez (um dos mais populares cantores e actores egípcios)».

Mais informações sobre este concerto de Natacha Atlas, aqui.

25 novembro, 2008

Cesária Évora Celebra as Origens (em Disco e em Concerto)


É uma grande notícia! Gravações inéditas de Cesária Évora efectuadas durante os anos 60 em Cabo Verde - tinha a cantora cerca de vinte anos de idade - estão agora, e pela primeira vez, reunidas em CD. Algumas destas canções apareceram em singles e EPs editados na altura, algumas reinterpretações de alguns destes temas apareceram em álbuns de Cesária nas décadas seguintes, mas nunca a voz da «diva dos pés descalços» soou tão fresca e feliz como nestas gravações contidas em «Rádio Mindelo». Com mornas e coladeiras clássicas (muitas delas do patrono de Cesária, o lendário Ti Goy, mas também de B.Leza, Morgadinho, Mendes Carvalho, Amândio Duarte ou Abílio Cabral), o alinhamento do disco - que vai ser apresentado em Lisboa, amanhã, quarta-feira, no Cinema S.Jorge - inclui os temas «Cize» (em três versões diferentes), «Oriundina», «Pé di Boi», «Nutridinha», «Vaquinha Mansa», «Belga», «Mar Azul», «Terezinha», «Fruto Proibido», «Falta di Força», «Sayko Dayo», «Sangue de Beirona», «Nho Antone Escaderode», «Mata morte», «Rabolice na Ilha d'Madeira», «Nova Sintra», «Menina d'Fonte Felipe», «Cinturão tem mele», «Dor di Sodade» e «Caminho de São Tomé».

24 novembro, 2008

Auto-Promoção (ou World DJing no Éden Glorioso - Parte 327)


Esta da «Parte 327» é brincadeira, claro!... Mas a frase fica sempre bem, primeiro porque acho o número 327 - «trezentos e vinte sete» - o que tem a sonoridade mais musical; depois porque já perdi a conta às minhas sessões de DJ no, como diria o Bagaço Amarelo, meu bar favorito: o CaféVinil, em Sintra. Sim, o sítio é lindo; o bar é mais que simpático; a comida é muito boa; as exposições sempre surpreendentes; e as sessões de DJ uma surpresa constante. Desta vez e como, por razões legais, não pode haver música alta depois das 24h00, o DJ que dá também voz a este blog vai pôr música, dia 13 de Dezembro, no CaféVinil, entre as 21h00 e a meia-noite. E, durante o mês de Dezembro, para além de outras sessões de DJing aos sábados, também haverá por lá uma Feira do Disco todas as sextas-feiras.

21 novembro, 2008

Frei Fado d'El Rei Vencem Prémio José Afonso


Via Sopa da Pedra (o blog paralelo do programa de rádio homónimo, realizado pelo meu querido amigo Carlos B.Norton, que é transmitido na RUA - Rádio Universitária do Algarve e está a festejar três anos de emissão; parabéns!!!) veio a notícia de que os Frei Fado d'El Rei venceram a edição deste ano do Prémio José Afonso, atribuído pela Câmara Municipal da Amadora:

«É uma notícia em primeira mão, os vencedores do prémio José Afonso deste ano foram os Frei Fado d'El Rei com o trabalho "Senhor Poeta". O álbum de homenagem à obra de José Afonso, editado no ano em que passam 20 anos sobre a morte do autor português foi premiado pelo júri nomeado pela Câmara Municipal da Amadora. Desde já ficam os parabéns aos músicos e a todos envolvidos!».

Por sua vez, e via e-mail, Álvaro José Ferreira - do blog A Nossa Rádio - fez-nos chegar um outro texto a propósito do mesmo assunto:

«O álbum "Senhor Poeta", do grupo Frei Fado d'El Rei, editado pela Ovação em Abril de 2007, foi o grande vencedor da edição de 2008 do Prémio José Afonso, instituído pela Câmara Municipal da Amadora, e que tem o valor pecuniário de 5 mil euros. O júri foi constituído pelo jornalista Carlos Pinto Coelho, a pianista Olga Prats, a coordenadora do Serviço de Animação Cultural da C.M. Amadora, Natália Cañamero de Matos, e o Vereador da Cultura da edilidade, António Moreira. Instituído em 1988, o Prémio José Afonso tem o objectivo de homenagear o imortal autor/compositor/intérprete, e incentivar a criação musical de raiz portuguesa e animar turística e culturalmente a Amadora. O grupo Frei Fado d'El Rei junta-se assim a uma prestigiosa galeria de artistas já distinguidos: Fausto Bordalo Dias, Vitorino, Sérgio Godinho, Júlio Pereira, José Mário Branco, Né ladeiras, Amélia Muge, João Afonso, Vai de Roda, Gaiteiros de Lisboa, Dulce Pontes, Vozes do Sul/Janita Salomé, Jorge Palma, Carlos do Carmo, Filipa Pais, José Medeiros e Brigada Victor Jara.

Em 2007, ano em que se assinalaram os vinte anos da morte de José Afonso, foram sete os álbuns de tributo ao autor de "Cantigas do Maio", pelo que não era fácil ao júri não ter em consideração essa leva de edições, o que não quer dizer que não houvesse outros discos perfeitamente premiáveis, como é o caso de "Parainfernália", do grupo Diabo a Sete (ed. Açor/Emiliano Toste); "Não Sou Daqui", de Amélia Muge (ed. Vachier & Associados); "Vinho dos Amantes", de Janita Salomé (ed. Som Livre); e "À Espera de Armandinho", de Pedro Jóia (ed. HM Música), este último recentemente distinguido com o Prémio Carlos Paredes. Em todo o caso, a escolha de "Senhor Poeta" não deixa de ser justíssima, precisamente por se tratar do melhor de todos os trabalhos de abordagem à obra de José Afonso (como tive o ensejo de referir no texto Grandes discos da música portuguesa: editados em 2007) e também por vir reconhecer a importância do grupo Frei Fado d'El Rei para a música portuguesa. Embora com uma discografia escassa – além de "Senhor Poeta", apenas dois álbuns de originais ("Danças no Tempo", Sony Music, 1995; e "Encanto da Lua", Sony Music, 1998) e um gravado ao vivo ("Em Concerto", Açor/Emiliano Toste, 2003) – a estética do grupo Frei Fado d'El Rei é indiscutivelmente uma mais das originais, inovadoras e cativantes do nosso panorama musical, mas que ainda não lograra obter o devido reconhecimento. Refira-se a propósito que o grupo foi um dos participantes no álbum colectivo "Filhos da Madrugada Cantam José Afonso" (MG Ariola, 1994), com uma belíssima versão do tema "Que Amor Não me Engana" (também presente em "Senhor Poeta"). Estão pois de parabéns José Flávio Martins, Carla Lopes, Cristina Bacelar e restantes elementos dos Frei Fado d'El Rei e, igualmente, os jurados, pela lúcida e justa decisão».

20 novembro, 2008

Festival GEADA Celebra a Cultura das Terras de Miranda


A primeira edição do Festival GEADA, em Miranda do Douro, está marcada para o fim-de-semana que se segue ao Natal e vai ser uma grande celebração da cultura mirandesa. Com muita música e dança - Galandum Galundaina, Pauliteiros de Miranda do Douro (na foto), L' Bombo, La Xaranga de Zeek i Trasgo, Gaiteiricos, Roncos do Diabo, Tuttis Catraputtis, Quinteto Reis... -, o GEADA inclui ainda outras actividades, tal como se pode saber no comunicado oficial do festival:

«Os Pauliteiros da Cidade de Miranda do Douro e a Associação Recreativa da Juventude Mirandesa vem por este meio dar conhecimento da programação do "GEADA 2008 - I Festival de Cultura Tradicional de Terras de Miranda", a realizar entre os dias 26 e 28 de Dezembro, em Miranda do Douro:

O "GEADA 2008 - I Festival de Cultura Tradicional de Terras de Miranda", é uma das iniciativas que integram o plano de actividades da Associação Recreativa da Juventude Mirandesa - ARJM, que deste modo, em parceria com o Grupo de Pauliteiros da Cidade de Miranda do Douro, assinalarão o 3º aniversário deste grupo e o 1º desta jovem associação.


A 1ª edição do GEADA terá como objectivos principais: festejar e divulgar a cultura, a língua e as tradições de Inverno das Terras de Miranda e prestar homenagem a um dos maiores vultos da cultura nacional, José Leite de Vasconcelos, no ano em que se comemoram os 150 anos do seu nascimento.


Ao participante, ao longo do festival será dada a possibilidade de viver, pela primeira vez, algumas das tradições de inverno próprias do planalto mirandês. Assim, qualquer um poderá intervir pessoalmente, numa matança tradicional, dançar à volta da tradicional fogueira do galo, e ao som ecoante das mais belas gaitas-de-foles poderão dançar pauliteiros e música tradicional mirandesa, tocar instrumentos tradicionais, conhecer a lingua mirandesa, passear por algumas das mais belas aldeias do planalto, acompanhando a vida e obra de José Leite de Vasconcelos, fazer e provar enchidos, e deliciar-se com os sabores da gastronomia tradicional mirandesa.

Pretende-se então, que todos os visitantes e participantes levem algo mais que uma recordação, mas antes uma experiência, que sintam a motivação de fazerem parte integrante de uma cultura tão próxima, mas ao mesmo tempo tão distante, tentando percebê-la por dentro e não só a estudando.

O GEADA envolve música e quando se fala de música tradicional, este planalto acorda e revela-se ao mundo. Grupos como "Galandum Galundaina", "Pauliteiros de Miranda do Douro", "L Bombo", "La Xaranga de Zeek i Trasgo", "Gaiteiricos" e "Quinteto Reis" são referência no nordeste musical que se farão ouvir durante o festival.

Mas o festival, tal como a música, não se cingirá às sua fronteiras geográficas. Do mundo encantado das gaitas, dos bombos e das tradições chegarão os "Tuttis Catraputtis", os "Roncos do Diabo" e os asturianos "L'Andecha Turcipié", perfeitos reis magos da festa.

Durante o GEADA, a miscelânia de gerações criará um ambiente inter-geracional fantástico, em que o convívio e a troca de experiências, serão o ponto de partida para a festa ao longo de todo o fim-de-semana.


Programa

Dia 26



21h30 - Recepção aos visitantes junto à Fogueira do Galo - Sé Catedral.

22h00 - Baile Tradicional com "Quinteto reis" e "L'Andecha Turcipié" (Astúrias)
23h00 – Gaitas à solta na fogueira.


Dia 27


10h00 – Visita ao Centro de Interpretação - Ambiental de Miranda do Douro

10h00 – Matança Tradicional.

11h00 - Inauguração da exposição "La nuossa tiêrra"

12h00 – Vamos fazer fumeiro

13h00 – Almoço tradicional

15h00 – Workshops:

*
Danças tradicionais mirandesas
*
Pauliteiros
*
Pequenas percussões

16h00 – Palestra "José Leite de Vasconcelos i la lhéngua mirandesa" com Amadeu Ferreira

17h00 – Arruada

19h00 – Jantar tradicional

21h00 – Baile Tradicional com:

3º Aniversário dos Pauliteiros de Miranda do Douro

Roncos do Diabo

Galandum Galundaina

Tuttis Catraputtis

La Xaranga de Zeek i Trasgo

Dia 28 - Passeio "Na ruota de Vasconcelos"


10h00 - Miranda do Douro.

*
Concentação
*
Leitura de poemas.

11h00 - Duas Igrejas

*
Duas Igrejas na obra de José Leite de Vasconcelos.
*
Visita à estação Arqueológica da Solhapa.

12h30 – São Martinho

*
Encontro com a história local
*
São Martinho no percurso de Vasconcelos

14h00 - Póvoa - NASO

*
Aparições e religiosidade popular
*
Almoço tradicional
* Jogos Tradicionais

Orador: Prof. Hermínio Bernardo



15h00 – Sessão de encerramento:
Baile Tradicional com "Ls Gaiteiricos" e "L' Bombo" (Terras de Miranda)

ACTIVIDADES PARALELAS:

Exposição "La nuôssa tierra"
Exposição de Fotografia – "Agarra-me estes Palos"
Jogos Tradicionais

Animação

Inscrição:
10 euros

Organização:
Grupo de Pauliteiros de Miranda do Douro - http://agarramestespalos.blogspot.com
Associação Recreativa da Juventude Mirandesa - http://arjm.blogspot.com

Apoios:
Câmara Municipal de Miranda do Douro
Junta de Freguesia de Miranda do Douro
Instituto Português da Juventude

Mais informações:

* Telefone: 915088034 / 936576314
* E-mail: pauliteiros@gmail.com
* Blogue: http://festivalgeada.blogspot.com»

19 novembro, 2008

Festival Entrelaços - Do Flamenco ao Jazz Manouche, Com Passagem Pelo Alentejo


A edição deste ano do festival albicastrense Entrelaços começa já este fim-de-semana. Toda a informação, aqui em baixo, recolhida nas Crónicas da Terra:

«Vai já na nona edição o “Entrelaços”, Festival Internacional de Música Tradicional / de inverno de Castelo Branco, organizado pelo Grupo Musicalbi, nos dias 22 e 29 de Novembro e 6 de Dezembro. Este ano, Entrelaços arranca com os CoMcORdAs, banda local de gypsy jazz manouche e com os sevilhanos Contradanza, projecto do sul de Espanha com forte sonoridade folk do norte do Atlântico. Segue-se a música alentejana dos Roda Pé e a flamenca dos Ciganos D’Ouro (na foto). Esta nona edição termina com mais um projecto alentejano - Sons do Vagar - e com os anfitriões Musicalbi.

Como tem sido hábito, todos os espectáculos decorrem no Cine-Teatro Avenida, pelas 21h30.

Programa Completo:

Dia 22 de Novembro

“COMCORDAS” E “CONTRADANZA” (Sevilha)

O swing, o jazz e os ritmos ciganos são alguns dos géneros de música que englobam o espectáculo do “CoMcORdAs” que, pelo facto de tocarem apenas instrumentos de corda, não deixam de surpreender através dos recursos destes, do palco minimalista e acolhedor. Constituído por António Preto na guitarra solo, Gil Duarte na guitarra ritmo e Gonçalo Rafael no baixo acústico, formam o grupo em Julho de 2006 com o intuito de divulgar este género musical.

Dia 29 de Novembro

“RODA PÉ” E “CIGANOS DE OURO”

Os Ciganos d’Ouro surgiram, em 1994, por iniciativa dos irmãos José Pato e Sérgio Silva. Inicialmente este grupo actuava exclusivamente em eventos culturais no seio da comunidade cigana portuguesa. A partir de 1995 a formação alargou-se em consequência da colaboração iniciada com o guitarrista PEDRO JÓIA que assumiu a direcção musical do grupo, em 1996 editam o álbum “LA CASA” e passaram então a divulgar o seu trabalho em Portugal e no estrangeiro, participando em festivais internacionais de música cigana ao mesmo tempo que conquistavam novas plateias fora desta comunidade. Fruto da nova ligação ao guitarrista FRANCISCO MONTOYA nasce o não menos aclamado “LIBERTAD”, a banda não pára, e a consequência dessa energia dá origem, em 2001, a mais um apelidado de “MAKTOUB”, palavra árabe que significa destino e caracteriza o caminho errante do povo cigano.

Dia 6 de Dezembro

“SONS DO VAGAR” E “MUSICALBI”

O MUSICALBI, nasceu em Castelo Branco em 1983, com o intuito de recolher e divulgar a música tradicional portuguesa. Hoje, é considerado uma das referências da nova música tradicional. Gradualmente foram introduzidos novos instrumentos e fizeram-se novos arranjos criativos trazendo assim novas sonoridades para a música tradicional, cruzando ambientes musicais portugueses com celtas, galegos e árabes. Contam-se centenas de espectáculos realizados a nível nacional e no estrangeiro, destacando-se concertos em Espanha, França, Macau e China, México e Polónia».

18 novembro, 2008

Imagens Sobre Música - Documentários Musicais na Fonoteca de Lisboa


A partir de hoje, dia 18, e até dia 22, a Fonoteca Municipal de Lisboa apresenta um ciclo de documentários portugueses (ou do círculo da lusofonia) sobre música, um ciclo alargado que mostra «Imagens sobre Música», do kuduro ao fado, das músicas tradicionais aos Heróis do Mar (na foto, de João Bafo). A notícia que se segue foi sacada directamente no blog Sons Vadios:

«Imagens sobre Música
Mostra de Filmes Documentários
(4ª edição)

18 a 22 de Novembro de 2008

Entrada Livre
Na prossecução dos seus objectivos de divulgar a música em geral, e a portuguesa em particular, nas suas várias expressões, a Fonoteca Municipal de Lisboa promove, pela quarta vez consecutiva, [12] Imagens sobre Música Mostra de Filmes Documentários.

A África da kizomba e do kuduro está fortemente representada nesta edição, com três filmes que são também três perspectivas complementares sobre a crescente afirmação da música angolana no panorama actual. Mas também a Lisboa do encontro de culturas; o fado "de aquém e além-mar"; as danças como expressão local e paixão universal; a paisagem enquanto moldura sonora; a literatura como fonte inspiradora da composição; o tempo entre um "Portugal antigo e um Portugal moderno", ao som de uma banda rock. São diversas as dimensões que se cruzam nestas [12] Imagens sobre Música.

Imagens sobre Música - Mostra de Filmes Documentários (4ª edição) irá decorrer entre os dias 18 e 22 de Novembro nas instalações da Fonoteca Municipal, com entrada livre. Em cada dia serão projectados dois filmes, a partir das 18h, à excepção de Sábado, último dia da mostra,
onde serão apresentadas quatro projecções, com início às 17h30.

Programa

____18 Novembro (Terça-feira)

[18:00] Mãe Ju ( 55' )
realiz. Inês Gonçalves e Kiluanje Liberdade,
prod. Noland Films, 2007.

[19:00] Margem Atlântica ( 57' )
realiz. Ariel de Bigault,
prod. FMC, Filmoblic e Real Ficção, 2006.


____19 Novembro (Quarta-feira)

[18:00] Canção d'Além-Mar: O Fado na Cidade de
Santos pela Voz de seus Protagonistas ( 55' )
realiz. e prod. Eduardo de A. Teixeira e
Heloísa de A. Duarte, 2008.

[19:00] É Dreda ser Angolano ( 65' )
realiz. e prod. Fazuma, 2007.


____20 Novembro (Quinta-feira)

[18:00] Kuduro, Fogo no Museke ( 50' )
realiz. Jorge António, prod. Lx Filmes, 2008.

[19:00] A Terra Antes do Céu ( 60' )
realiz. João Botelho, prod. Ar de Filmes, 2007.


____21 Novembro (Sexta-feira)

[18:00] Arritmia ( 44' )
realiz. Tiago Pereira, prod. Pé de Xumbo, 2007.

[19:00] Brava Dança ( 80' )
realiz. Jorge Pereirinha Pires e José Francisco Pinheiro,
prod. Filmes do Tejo II, em assoc. com A Ventura
Humana e Nervo , 2006.

____22 Novembro (Sábado)

[17:30] Soundwalkers ( 30' )
realiz. Raquel Castro , prod. Bazar do Vídeo, 2007.

[18:05] Paisagens Sonoras ( 15' )
realiz. e prod. Pedro Gil e José Ceia Leitão, 2007

[18:25] Manda Adiante (27')
realiz. Tiago Pereira, prod. Pé de Xumbo, 2007.

[19:00] Fados ( 90' )
realiz. Carlos Saura, prod. Fado Filmes, 2007»

14 novembro, 2008

Sanfonas, Bandolins e Concertinas à Solta no S.Martinho, em Coimbra


Amanhã, dia 15, no jardim da Sereia, em Coimbra, há uma excelente oportunidade para aprender a tocar (ou desenvolver os «skills») vários instrumentos tradicionais, portugueses e não só. São as Oficinas de São Martinho, organizadas pelo Rodobalho, que contam como formadores alguns dos melhores executantes portugueses de bandolim, adufe, sanfona, concertina, etc, etc... O texto de apresentação e o programa, já a seguir (nota: os grupos referidos ao longo do texto não vão tocar; são os grupos a que pertencem os formadores):

«O Rodobalho, na sequência das actividades desenvolvidas ao longo de 3 anos na promoção da dança e música tradicionais, resolveu alargar o seu campo de intervenção, procurando suscitar o interesse pelos instrumentos musicais historicamente mais caracteristicos da nossa cultura.

As oficinas de São Martinho visam assim proporcionar aos seus participantes o contacto (que será para alguns o primeiro) com os instrumentos, que serão apresentados por músicos/formadores reconhecidamente habilitados para isso. Como pretendemos despertar o desejo de aprender algum instrumento e tendo em conta o pouco que se pode fazer em apenas um dia, preparámos um conjunto de oficinas simultâneas, distribuídas de modo a que ao participante será possível escolher 3 instrumentos da sua preferência.

E como o mote é o São Martinho, celebramos o encontro com um Magusto especial onde não faltará a música e dança, um momento priveligiado para trocar experiências e ideias, repertórios e contactos para outros encontros que se queiram concretizar daqui em diante.

Programa:

10h00

Cavaquinho
Gaita Galega


Pedro Damasceno
Ricardo Coelho


(Diabo a Sete
Pé na Terra, Bailebúrdia, Lumen)


11h30
Gaita Transmontana
Sanfona *
Adufes *

Ricardo Santos
Fernando Meireles
Adufeiras de Paúl


(Velha Gaiteira, Cibo Mosari
Realejo, Man&Bellas
Adufeiras de Paúl)


13h00 Almoço
14h00 Café

15h00

Fraita | Flauta Tamborileiro
Bandolim
Caixas


Diogo Leal
Amadeu Magalhães
David G. e João P.


(No Mazurka Band
Quadrilha, Realejo
Roncos e Curiscos)


16h30

Cangalhos
Concertina

Bitocas
Artur Fernandes (na foto, deMário Pires, da Retorta)

(D'orfeu, 4porTango
Danças Ocultas, 4porTango)


18h00

Danças Europeias

Gi

(Rodobalho)


20h00 - Jantar
Projecção de filmes


22h00

Baile - Jam Session
DJ Folk


Todas as actividades de participação livre.

*a confirmar».

Mais informações, aqui.



E Aurélien Claranbaux em Concertos e Workshops...

Entretanto, deste universo dos instrumentos (e das músicas e das danças) tradicionais, há outra boa notícia a circular:

«Nos próximos dias 20,21 e 22 de Novembro irão decorrer em Almada, Leiria e Lisboa concertos-bailes com o acordeonista Aurélien Claranbaux (Zef, Minuit Guibboilles, Dites 34 são apenas algumas das bandas de que é membro).

A sua música é influenciada não só pelos ritmos das danças do centro da França e da Bretanha como também pela música do mundo, rap, o rock, jazz....

Para além dos concertos, Aurélien dará também nos dias 22 e 23 de Novembro um Workshop Intensivo de Acordeão Diatónico, na Casa da Comarca da Sertã em Lisboa.

Em simultâneo, decorrerá um workshop intensivo de dança folk-tradicional, onde serão ensinadas danças bretãs e quadrilhas francesas».

Mais informações, aqui.

13 novembro, 2008

Maré Trad - Danças Tradicionais em Corroios


Amanhã e depois (dias 14 e 15), decorre em Corroios a Maré Trad, iniciativa dedicada às danças tradicionais e que tem como cabeças-de-cartaz os Fol&ar e os Tanira (na foto, de Ana Ferreira). O texto de apresentação da Maré Trad, na íntegra:

«Nos próximos dias 14 e 15 de Novembro, a Junta de Freguesia de Corroios, em parceria com a Associação Tradballs, lança-se na promoção das culturas e danças tradicionais. O caminho teve início no passado mês de Julho, com a actuação do grupo Mosca Tosca na Animação de Espaços Públicos e mais recentemente, com o retorno do grupo à Freguesia, para comemorar o seu 2º aniversário.

No contexto das danças tradicionais, propõe-se promover a história da freguesia, recordando os antigos modos de vida, valorizando o rico património natural e cultural. A edição inaugural de 2008 conta com uma visita guiada à Fábrica da Pólvora de Vale de Milhaços, dia 15 de Novembro, pelas 9h30m. Workshops de danças e concertos/bailes com os fol&ar e Tanira completam o programa.

14 de Novembro

21h30 - Workshop de Iniciação aos Bailes
22h30 - Concerto/baile com os Fol&ar | www.myspace.com/folear
Workshop + Concerto/Baile | Entrada: 3€

15 de Novembro

09h30 - Visita à Fábrica da Pólvora de Vale de Milhaços (mapa) | Entrada Livre
15h00 - Workshop de Danças Portuguesas | Entrada Livre
16h00 - Workshop de Pauliteiros | Entrada Livre
17h00 - Workshop de Polska | Entrada Livre

21h30 - Workshop de Iniciação aos Bailes
22h30 - Concerto/baile com os Tanira | www.myspace.com/taniramusic
Workshop + Concerto/Baile | Entrada: 3€


Os workshops e concertos/bailes têm lugar no Cine-Teatro do Ginásio Clube de Corroios .

As inscrições para a visita guiada à Fábrica da Pólvora de Vale de Milhaços (mapa), têm de ser efectuadas com antecedência para o e-mail cultura@jf-corroios.pt .

Esta iniciativa vai estar inserida na Semana Cultural de Corroios 2008.

Apoios
Câmara Municipal do Seixal | www.cm-seixal.pt
DancasTradicionais.net | www.dancastradicionais.net
Rodobalho.com | www.rodobalho.com
Ginásio Clube de Corroios».

12 novembro, 2008

Morreu Miriam Makeba - A Voz da Luta Anti-Apartheid


A cantora e activista sul-africana Miriam Makeba morreu anteontem, dia 10, deepois de ter desfalecido em palco no final de um concerto em Castelvolturno, perto de Nápoles, Itália. Miriam Makeba, de 76 anos, tinha acabado de interpretar aquele que foi provavelmente o tema que lhe deu maior visibilidade mundial, «Pata Pata». A ela, à sua música, à música sul-africana e à causa à qual dedicou boa parte da sua vida: a luta anti-apartheid na sua terra natal.

Miriam Makeba nasceu nos arredores de Joanesburgo, em 1932, e iniciou a sua carreira musical na década de 50. Colaborou com outro grande nome da música sul-africana, Hugh Masekela, com quem aparece no filme anti-apartheid «Come Back, Africa». Em Inglaterra e, depois, nos Estados Unidos, onde se exilou, tornou-se amiga de Harry Belafonte. Casou com Stokely Carmichael, figura de proa da organização Panteras Negras. Este casamento - e devido à perseguição de que o marido era alvo por parte das autoridades norte-americanas - levou-a a novas mudanças de país, tendo-se fixado na Guiné-Conakry e, depois, na Bélgica. Acolhida durante muitos anos em todo o mundo - excepto no seu próprio país - como a Voz da música sul-africana, sempre social e politicamente empenhada (mesmo o último concerto que deu, em Itália, estava integrado numa iniciativa anti-racista e anti-Máfia), Miriam Makeba regressou à África do Sul em 1990, quando Nelson Mandela assumiu o poder. Miriam Makeba tinha sido homengeada neste blog num dos Cromos Raízes e Antenas, aqui.

11 novembro, 2008

Asian Dub Foundation no Santiago Alquimista


Os Asian Dub Foundation, um dos grupos britânicos mais aventureiros, criativos, interventivos e - absolutamente! - fundamentais na mistura de géneros oriundos de variadas partes do mundo, do bhangra indo-paquistanês ao reggae jamaicano, do punk inglês e do hip-hop norte-americano às electrónicas universais, regressa a Portugal para um concerto único, dia 16 de Dezembro, no Santiago Alquimista, em Lisboa. Em tempo de promoção do recente álbum «Punkara» (onde os ADF contam com a colaboração de Iggy Pop e de Eugene Hutz, dos Gogol Bordello), a banda não deve esquecer no entanto temas mais antigos como o emblemático «Rebel Warrior» ou o mais recente, e absolutamente arrasador, «Flyover». Uma entrevista que eu fiz há alguns anos a Pandit G, dos ADF, pode ser lida neste blog, aqui.

10 novembro, 2008

«Todos Cantam Zeca Afonso» - Uma Colectânea de Homenagem


Aqui há uns bons anos, a colectânea «Filhos da Madrugada» mostrava uma série de versões de temas de José Afonso feitas de propósito para esse disco produzido por Manuel Faria. Versões de grupos como os Madredeus, GNR, Sitiados, Vozes da Rádio, Os Tubarões, Delfins, Diva, Opus Ensemble, Xutos & Pontapés, Mão Morta ou Brigada Victor Jara. E, só o ano passado - a propósito da passagem do vigésimo aniversário sobre a morte de José Afonso -, surgiram inúmeros álbuns de tributo, feitos por variadíssimos grupos e artistas, à arte e ao génio do autor de «Grândola Vila Morena». E a somar a isso tudo, a Farol lança hoje, dia 10 de Novembro, mais uma colectânea de homenagem, «Todos Cantam Zeca Afonso», que abrange diversas épocas (há gravações dos anos 70, como as de Tonicha e Amália, mas também algumas saídas dessa fornada de homenagens de 2007) e diversos géneros musicais. O alinhamento completo do disco é:


1. José Mário Branco/Amélia Muge/João Afonso – «Maio Maduro Maio»

2. Cristina Branco – «Canção de Embalar»

3. Fernando Machado Soares – «Maria Faia»

4. Mariza – «Menino Do Bairro Negro»

5. Tonicha – «Resineiro Engraçado»

6. Jacinta – «Se Voaras Mais Ao Perto»

7. Teresa Silva Carvalho – «Vejam Bem»

8. Frei Fado D'El Rei – «A Morte Saiu À Rua»

9. Paula Oliveira & Bernardo Moreira – «Os Índios Da Meia-Praia»

10. Carla Pires – «Traz Outro Amigo Também»

11. Uxía – «Verdes São Os Campos»

12. Sons da Fala – «Venham Mais Cinco»

13. Lua Extravagante – «Adeus Ó Serra Da Lapa»

14. Lena d'Água – «Era Um Redondo Vocábulo»

15. Rosa Madeira – «Menina dos Olhos Tristes»

16. João Afonso – «Bombons De Todos Os Dias»

17. Couple Coffee & Band – «Vampiros»

18. Carlos do Carmo – «Menino D'Oiro»

19. Amália Rodrigues – «Grândola Vila Morena»

20. Júlio Pereira – «Viva O Poder Popular»

07 novembro, 2008

Cromos Raízes e Antenas XLVI


Este blog continua hoje a publicação da série «Cromos Raízes e Antenas», constituída por pequenas fichas sobre artistas, grupos, personagens (míticas ou reais), géneros, instrumentos musicais, editoras discográficas, divulgadores, filmes... Tudo isto sem ordem cronológica nem alfabética nem enciclopédica nem com hierarquia de importância nem sujeita a qualquer tipo de actualidade. É vagamente aleatória, randomizada, livre, à vontade do freguês (ou dos fregueses: os leitores deste blog estão todos convidados a enviar sugestões ou, melhor ainda!, as fichas completas de cromos para o espaço de comentários ou para o e-mail pires.ant@gmail.com - a «gerência» agradece; assim como agradece que venham daí acrescentos e correcções às várias entradas). As «carteirinhas» de cromos incluem sempre quatro exemplares, numerados e... coleccionáveis ;)

Cromo XLVI.1 - Extra Golden


Quando uma tese de doutoramento acaba por dar origem a uma das melhores e mais excitantes bandas da actualidade, é caso de dar graças aos céus por haver universidades norte-americanas que aceitam trabalhos sobre... a música benga do Quénia. Foi o que aconteceu a Ian Eagleson (ele que pertencia a um grupo rock chamado Golden), quando foi para Nairobi terminar a sua tese sobre este tema e conheceu um músico local, Otieno Jagwasi, da Orchestra Extra Solar Africa. Foi com ele - e com Alex Minoff (também dos Golden e Weird War, ex-Six Finger Sattelite) - que Ian gravou em 2004 o primeiro álbum dos Extra Golden, «Ok-Oyot System» (editado em 2006). Infelizamente, Otieno morreu, tendo sido substituído por Opiyo Bilongo, com quem foi gravado o segundo álbum, «Hera Ma Nono» (2007), ao qual se seguiu «Thank You Very Quickly» (2009). Mesmo com uma história trágica por trás, a música dos Extra Golden é uma celebração de vida, de alegria e de multiculturalismo no melhor que esta palavra tem.


Cromo XLVI.2 - Rizwan-Muazzam Qawwali



Depois da morte de Nusrat Fateh Ali Khan - o nome maior da música qawwali do Paquistão - outros intérpretes dessa música sagrada inspirada pelo sufismo emergiram como eventuais substitutos da sua arte. Uma substituição impossível. Mas que há continuadores talentosos e genuínos, lá isso há. Faiz Ali Faiz, Asif Ali Khan & Party ou Fareed Ayaz são alguns dos nomes mais bem posicionados para preencher esse vazio. Mas os Rizwan-Muazzam Qawwali - formados por dois jovens sobrinhos de Nusrat Fateh Ali Khan - estão há alguns anos a reclamar o legado do tio e a assinar uma carreira tão consistente que podem mesmo bem ser eles os legítimos herdeiros do génio de Nusrat. Com três álbuns editados até agora - «Sacrifice To Love», «A Better Destiny» e «Day of Colours» - e com colaborações em discos de Adrian Sherwood e Temple of Sound, os Rizwan-Muazzam Qawwali são uma lufada de ar fresco nesta música centenária.


Cromo XLVI.3 - Banco de Gaia


Há inúmeros exemplos de má (e de péssima!) música electrónica que usa samples de músicas de vários lugares do mundo só porque soam a exótico, a diferente, a estranho ou a «moderno». E há tantos que nem haverá espaço aqui para referir um que seja. Mas, no outro extremo, há também alguns belos exemplos de como a electrónica pode ir à world music para com ela se fundir na perfeição. Um desses - e dos melhores - exemplos é o do compositor e músico inglês Toby Marks (mais conhecido pelo pseudónimo Banco de Gaia), que desde o início dos anos 90 junta várias tipologias de música electrónica (ambient, house, dub...) com música asiática e música do norte de África e de outros lugares do planeta, sempre com um talento e um bom-gosto notáveis. Audição aconselhada: os álbuns pioneiros «Maya» (1994), «Last Train to Lhasa» (1995) e «Big Men Cry» (1997).


Cromo XLVI.4 - Russendisko


Em Berlim (Alemanha), 1999, dois imigrantes oriundos da ex-União Soviética, Wladimir Kaminer - ele também jornalista e escritor, inclusive de um livro de nome... «Russendisko» (editado em Portugal pela Cavalo de Ferro), onde conta esta história, entre outras - e o DJ Yuriy Gurzhy começam a organizar festas para imigrantes de Leste com o nome Russendisko. Festas que depois se alargaram a uma crescente legião de fãs formada também por alemães e pessoas de outras nacionalidades, subitamente apaixonadas pelo ska, o punk, o klezmer ou a pop feita por grupos da Rússia, da Ucrânia, da Geórgia e de outros novos países saídos da separação da União Soviética, como os Leningrad, os RotFront ou os Nogu Svelo. E, a partir de 2003, há colectâneas Russendisko espalhadas por todo o mundo: «Russendisko Hits», «Russendisko Hits 2» e «Radio Russendisko» são as mais aconselháveis.

06 novembro, 2008

Grão - Nova Editora Lança Discos de Maria João Quadros e El Fad


Tiago Torres da Silva - reconhecido poeta e letrista que já colaborou com variadíssimos artistas e compositores portugueses e brasileiros - fundou uma editora, a Grão, onde vai lançar projectos próprios ou exteriores ao seu trabalho mas com os quais se sente especialmente identificado. Para já, os primeiros lançamentos da Grão são um originalíssimo álbum da fadista Maria João Quadros, em que ela canta poemas de Tiago Torres da Silva musicados por compositores brasileiros, e um álbum ao vivo do projecto El Fad, do guitarrista José Peixoto (na foto).

«Fado Mulato», de Maria João Quadros, é um álbum único no universo do fado: aqui ela canta poemas de Tiago Torres da Silva (com duas excepções - uma letra de Paulo César Pinheiro e «Gota de Água», com letra e música de Chico Buarque), sobre fados compostos por vários autores brasileiros, nomeadamente Ivan Lins, Zeca Baleiro, Olivia Byington, Pedro Luís (de Pedro Luís e A Parede), Chico César e Francis Hime, entre outros. E neste álbum - que visita os universos do fado mas também os de vários géneros brasileiros, do tango e da música cabo-verdiana - participam como convidados especiais os cantores Tito Paris, Olivia Byington e Francis Hime, Custódio Castelo na guitarra portuguesa e Pedro Jóia e José Peixoto na guitarra clássica.

No projecto El Fad, do guitarrista e compositor José Peixoto - que nos últimos anos tem repartido o seu tempo pelos Madredeus, pelos Sal, por parcerias com Maria João ou Fernando Júdice, entre outros - participam também Carlos Zíngaro (violino), Miguel Leiria Pereira (contrabaixo) e Vicky (bateria). O álbum agora editado, «Vivo», foi gravado em concertos no Auditório Fernando Lopes Graça (Almada), Onda Jazz (Lisboa) e Tambor Q Fala (Seixal), realizados em Dezembro de 2007. O primeiro álbum do projecto El Fad tinha sido editado em 1988 com uma formação completamente diferente em que José Peixoto era acompanhado por Martin Fredebeul (saxofone alto e soprano, flauta e clarinete baixo), Klaus Nymark (trombone), Mário Laginha (piano e sintetizador), Carlos Bica (contrabaixo), José Martins (percussões e sintetizador) e Mário Barreiros (bateria).

05 novembro, 2008

Navegante Comemoram Quinze Anos (Com Muitos Convidados)


Os Navegante - ainda e sempre liderados por José Barros - comemoram quinze anos de carreira com um concerto especial no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, já depois de amanhã, 7 de Novembro. E, com eles, estará em palco um aberto e luxuoso leque de convidados: o bandolinista italiano Mimmo Epifani, as gémeas da txalaparta basca Ttukunak e os músicos e cantores portugueses Amélia Muge, Fausto Bordalo Dias, João Afonso, Miguel Brito Rebelo e Rui Júnior. Mais informações sobre o grupo aqui e sobre este concerto aqui.

04 novembro, 2008

Mafalda Arnauth - Mais Flor Que Fado


Sempre na linha da frente da renovação do fado, a cantora e compositora Mafalda Arnauth editou há algumas semanas o seu novo álbum, «Flor de Fado». Aqui, para fãs e simples curiosos, deixo a transcrição da entrevista que lhe fiz para a «Time Out Lisboa» e da crítica ao álbum, igualmente publicada na mesma revista há algumas semanas.


MAFALDA ARNAUTH
MAIS FLOR QUE FADO...

E ao quinto álbum de originais, «Flor de Fado», Mafalda Arnauth - ela que canta, que produz, que compõe boa parte dos temas do álbum, sozinha ou em parcerias - cria um disco brilhante, pessoalíssimo e um disco que... não é de fado, apesar de o fado estar lá, em flor.

Em 2005, Mafalda Arnauth lançou o seu «best of», de nome «Talvez se Chame Saudade», súmula de uma carreira discográfica com seis anos, três álbuns - todos eles bem inscritos no universo do fado - e uma crescente adesão de público e de crítica em Portugal e no estrangeiro. Uma fadista estava na calha mas, em contramão ou nem tanto, o seu caminho seguinte - o álbum «Diário» (editado nesse mesmo ano, alguns meses depois) mostrava Mafalda a experimentar outras linguagens para além do fado - de uma milonga argentina a uma canção de Vinicius de Moraes, de Charles Aznavour à música basca... - e o recentíssimo «Flor de Fado» mostra a cantora e compositora com um pé no fado e outro em territórios musicais portugueses, muitíssimo portugueses sim, mas que do fado - se é que de fado sempre se trata - só conservam uma essência primordial. Diz ela: «Ainda há poucos dias falava com os meus músicos acerca do título do novo álbum, "Flor de Fado", porque este é de facto o meu disco menos de fado, de fado no sentido tradicional da palavra. Mas sinto-me mais fadista do que nunca. Nos valores, nas intenções, na ideia de cantar a vida real. E nesse sentido acho que continuo a ser extremamente fadista... Mas é verdade que há aqui um depurar, um ir à essência... A "Flor de Fado" é como a flor de sal, quando a água evapora e aquilo que fica...».

A analogia, lindíssima e que facilmente se explica por si, com a flor de sal tem uma continuação lógica na explicação de Mafalda de que este disco vive muito dos diálogos entre duas guitarras clássicas, a viola de fado de Luís Pontes e a viola do argentino Ramon Mascio, e em que a guitarra portuguesa - tocada soberbamente por Ângelo Freire, um jovem de apenas 19 anos a quem Mafalda Arnauth augura um futuro brilhante - aparece muito menos em destaque do que seria de esperar, embora quando apareça, como na sua versão de «Povo Que Lavas no Rio», seja, nas palavras de Mafalda, um «leão na selva». Mafalda Arnauth diz que a viola de fado fica muitas vezes «num ponto absurdamente esquecido. E há muitos anos que queria ter duas guitarras clássicas como base da minha música». E estiveram quase a ser três, se Pedro Jóia - com o seu lado flamenco - se tivesse juntado ao projecto, hipótese que se pôs depois de um concerto no Porto. E a estes guitarristas juntou-se também o baixista Fernando Júdice (ex-Madredeus), que já tinha trabalhado com Mafalda Arnauth no passado mas que do fado só tinha tido essa experiência.

Mafalda justifica, se tal preciso fosse, o seu mergulho em «outras músicas» no anterior álbum «Diário» como consequência de alguém que «quando era nova não ouvia fado, de todo. Ouvia música brasileira, música de outros países de América do Sul, música francesa... Só comecei a ouvir fado com 18, 19 anos. E no "Diário" alarguei os meus horizontes para me exprimir noutras linguagens». E todo o universo fraternal de «Flor de Fado» - um universo em que podem entrar nomes da chamada «canção ligeira» portuguesa dos anos 60 como Fernando Tordo, Simone de Oliveira e até, de forma lateral, Amália Rodrigues, Carlos do Carmo ou José Afonso - tem também uma razão de ser. «Tenho uma admiração profunda por todos esses nomes. E nunca percebi muito bem porque é que se chamava "canção ligeira" à música do Fernando Tordo, da Simone, do Carlos do Carmo... Ligeira no sentido de superficial, de pouco profundo, de efémero... Acho que não são nada disso. E são mesmo capazes de estar na minha memória genética».

E, em defesa - repete-se, se tal defesa fosse necessária - das suas canções, Mafalda diz que «actualmente há muita gente talentosa a defender, e a defender de forma brilhante, o fado mais tradicional. Mas qual é o interesse de eu ir, só para mostrar que sou capaz, fazer um reportório integral de fado tradicional?... Posso vir a fazer um disco de fado clássico em qualquer altura da minha vida». Mas, enquanto isso não acontece, está aí «Flor de Fado» - onde Mafalda também realça a participação do poeta Tiago Torres da Silva na escrita de alguns temas e o muito bem-disposto dueto com a cantora brasileira Olivia Byington (em «Entre a Voz e o Oceano», tema com música de Olivia e letra de Tiago Torres da Silva) - e uma infinidade de colaborações de Mafalda com gente como o mítico cantor cubano Pablo Milanés (num concerto, há alguns meses, no País Basco), com o importantíssimo grupo galego Milladoiro (numa participação que irá aparecer no próximo álbum deste grupo), com o brasileiro Vinicius Cantuária (num concerto conjunto previsto para a próxima edição do festival Atlantic Waves, em Londres) ou a gravação de um tema para o próximo disco do mestre da trikitixa basca Kepa Junkera. E que melhores parcerias é que se poderiam querer?


MAFALDA ARNAUTH
«FLOR DE FADO»
Universal Music Portugal

Se em «Diário», o seu álbum anterior (de 2005), Mafalda Arnauth levava muitas vezes, e bem, o fado para as «músicas do mundo» - nesse disco Mafalda cantava Vinicius de Moraes, uma milonga, «La Bohéme» (de Charles Aznavour), um tema do basco Fran Lasuen (ex-Oskorri)... - neste novo «Flor de Fado», a cantora salta do fado para uma música portuguesa «mítica» que remete muitas vezes para a grande canção, ligeira ou não, dos anos 60 e 70 no nosso país. Uma música imaginária que convoca em partes praticamente iguais José Afonso e Amália Rodrigues (e está aqui «Povo Que Lavas no Rio», embora numa versão pessoalíssima e que se afasta bastante da matriz amaliana), Simone de Oliveira e Fernando Tordo, Carlos do Carmo e Vitorino Salomé (e está aqui uma versão de «Tinta Verde», de Vitorino). Como está também um delicioso fado-bossa, «Entre a Voz e o Oceano», num dueto com a cantora brasileira Olivia Byington e uma versão lindíssima de «Flor do Verde Pinho» (de Manuel Alegre e José Niza).

Pensado originalmente como «alinhamento» para um concerto, este álbum (de estúdio) tem Mafalda Arnauth rodeada pelo letrista Tiago Torres da Silva e pelos compositores e guitarristas Luís Pontes e Ramon Maschio, Ângelo Freire na guitarra portuguesa, Fernando Júdice no baixo e Davide Zaccaria no violoncelo. Uma equipa de luxo que fez deste disco aquilo que ele é. «Quem Me Desata» é capaz de ser o fado mais fado de todo o álbum e mostra que, se Mafalda Arnauth e os seus músicos tivessem querido, este poderia ter sido, todo ele, um excelente álbum de fado e de uma excelente fadista. Assim, é - e ainda bem - um excelente álbum de música e de uma excelente cantora. (*****)

30 outubro, 2008

WOMEX de Sevilha - Os Concertos Começam Já Hoje


Quase, quase a chegar a Sevilha, para assisitir a mais uma edição da WOMEX na capital da Andaluzia, aqui deixo novamente o programa completo do cartaz de espectáculos que começam hoje a acontecer por lá (embora a feira tenha sido inaugurada ontem). E com a promessa de que darei conta de muitos deles neste blog quando voltar. Até já...


Quinta-feira, dia 30:

Showcases diurnos (FIBES)

- Liu Fang (China/Canadá)
- Zabit Nabizade Trio (Azerbaijão)

Showcases nocturnos (Teatro Lope de Vega e arredores)

- A Filetta (França)
- Alex Cuba (Cuba/Canada)
- Bassekou Kouyate & Ngoni ba (Mali)
- Cimarrón (Colômbia)
- DJ Grace Kelly (Brasil/Alemanha)
- Fatima Spar & The Freedom Fries
(Turquia/Bulgária/Ucrânia/Sérvia/Áustria)
- Kalman Balogh Gypsy Cimbalom Band (Hungria)
- Les Amazones de Guinée (Guiné-Conacri; na foto, de Pierre Rene-Worms)
- Speed Caravan (Argélia/Marrocos/França)
- Staff Benda Bilili (Congo-Kinshasa)

Tenda Off-Womex

- Gong Myoung (Coreia do Sul)
- Meddy Gerville (Ilha Reunião)
- Sofia Jannok (Suécia / Lapónia)


Sexta-feira, dia 31

Showcases diurnos (FIBES)

- Jouhiorkesteri (Finlândia)
- Ólöf Arnalds (Islândia)

Showcases nocturnos (Teatro Lope de Vega e arredores)

- Aurelio Martinez (Honduras)
- Camané (na foto de Augusto Brázio)
- David Walters (França)
- DJ Ishtar (Irão/Holanda)
- LA-33 (Colômbia)
- Magnifico (Eslovénia)
- Mike Marshall & Darol Anger with Väsen (EUA/Suécia)
- Ramiro Musotto & Orchestra Sudaka (Argentina/Brasil)
- Suzanna Owiyo (Quénia)
- Tumi and the Volume (África do Sul/Moçambique)

Tenda off-womex

- Dorantes (Espanha)
- Mastretta (Espanha)
- Peret (Espanha)

Sábado, dia 1 de Novembro

Showcases diurnos (FIBES)

- Beats in the Heart of Orient (Irão/Índia/Grécia/França)
- Salamat Sadikova (Quirziguistão)

Showcases nocturnos (Teatro Lope de Vega e arredores)

- Astillero (Argentina)
- Bako Dagnon (Mali)
- Bedouin Jerry Can Band (Egipto)
- Enzo Avitabile & I Bottari (Itália)
- Mo DJ (Mali)
- Sidestepper (Colômbia)
- Tomás de Perrate (Espanha)

Tenda Off-Womex

- Andreia Dias (Brasil)
- La Pupuña (Brasil)
- Mundo Livre S/A (Brasil)

Domingo, dia 2 de Novembro

Showcase diurno (FIBES)

- Vencedor do prémio WOMEX 08: Muzsikás

29 outubro, 2008

Atlantic Waves - É Esta a Última Edição?


Um e-mail de Miguel Santos recebido há algumas semanas já me tinha alertado para a possibilidade. E, agora, uma notícia da Lusa dá mesmo conta de que o festival Atlantic Waves - cuja edição de 2008 começa dia 1 de Novembro, em Londres - poderá nunca mais vir a acontecer. O que, a concretizar-se, seria uma perda enorme para a divulgação extra-portas da música portuguesa e lusófona. O Atlantic Waves tem sido, tão-só, o mais importante festival temático, feito em terras estrangeiras, centrado na música portuguesa (embora abrindo sempre espaço para músicas e músicos de outros lugares, da lusofonia mas não só) e seria de todo desejável a sua continuação. Do programa deste ano - tal como também se pode ler mais em baixo neste blog e com mais pormenores - constam concertos de Mariza, Gaiteiros de Lisboa, Mafalda Arnauth com Vinicius Cantuária, Berrogüetto, Uxía, Rabih Abou-Khalil (na foto) com o fadista Ricardo Ribeiro, Rodrigo Leão com Vini Reilly, Waldemar Bastos e Neco Novellas. A notícia da Lusa, na íntegra:

«O festival Atlantic Waves, que apresentou Mariza ao público londrino e ao qual a fadista regressa este ano, abre dia 01 de Novembro com o futuro incerto. A delegação em Londres da Fundação Gulbenkian, que até agora financiou o evento dedicado à música lusófona iniciado em 2001, está a ponderar o que irá fazer com a iniciativa, nomeadamente a entrega da sua organização a outra entidade, deixando, no entanto, de a financiar. "Vamos ver se há potenciais parceiros para pegarem no que começámos", disse à agência Lusa o novo director da delegação, Andrew Barnett. A decisão coincide com o fecho do departamento de relações culturais anglo-portuguesas e com a diluição da promocao da cultura portuguesa na estrutura da delegação e a saída do seu responsável, Miguel Santos, que também era o director do Festival.

Andrew Barnett reconhece que o Atlantic Waves "foi um grande sucesso" e reivindica para o Festival o crédito de ter colocado o fado no mapa da música no Reino Unido. "Penso que não é demais dizer que [o Festival] ajudou Mariza a conseguir uma audiência britânica", vincou. Mariza estreou-se nos palcos londrinos em 2002, na 2/a edição do Festival, depois de ter actuado no festival WOMAD, em Reading. Poucos meses depois, em Março do ano seguinte, foi distinguida com o prémio de World Music da BBC3. Desde então Mariza regressou a Londres várias vezes, tendo esgotado a lotação do Royal Festival Hall em 2006, também no âmbito do Atlantic Waves. Este ano, Mariza abre o festival a 01 de Novembro com dois concertos no Barbican e ainda um espectáculo especial para as famílias durante o dia, aberto a crianças. Do programa constam ainda Rodrigo Leão e Durutti Column, Gaiteiros de Lisboa, Mafalda Arnauth, Vinicius Cantuária, estando o encerramento a cargo de Waldemar Bastos e Neco Novellas.

Andrew Barnett, no cargo há um ano, entende que é tempo de a delegação da Gulbenkian em Londres, que tem um orçamento anual de três milhões de euros, avançar para outros projectos. "Temos recursos limitados e é altura de passar à frente", refere, dando como exemplo o prémio britânico para museus e galerias, que a Gulbenkian deixou de patrocinar em 2007 após cinco anos. O mesmo, tudo indica, deverá acontecer com o festival Atlantic Waves.

Nas edições anteriores do festival passaram, entre outros, Madredeus, Mísia, Telectu, Pedro Carneiro, Zé Eduardo, The Raincoats, Lula Pena, Maria João e Mário Laginha, Rodrigo Leão, Blasted Mechanism e Gaiteiros de Lisboa - a maioria dos quais pela primeira vez no Reino Unido.


Um projecto semelhante poderá, entretanto, nascer no próximo ano pelas mãos do fundador e principal impulsionador do Atlantic Waves, Miguel Santos. "Serão quatro dias, seis concertos por dia, no início de Novembro", revelou à Lusa. O modelo, promete, será "mais ambicioso, com músicos portugueses, mas também parcerias internacionais". BM/Lusa»

28 outubro, 2008

Ry Cooder e o Buena Vista Social Club - O Meu Coração É Cubano


Ouvir agora o álbum gravado ao vivo pelo colectivo Buena Vista Social Club no Carnegie Hall em Nova Iorque é voltar a sentir o mesmo arrepio que se teve quando se ouviu pela primeira vez o álbum de estúdio do «grupo» e se viu pela primeira vez o documentário de Wim Wenders com o mesmo nome. Há algumas semanas, na «Time Out Lisboa», foram publicados estes meus dois trabalhos a propósito dessa edição: uma entrevista com Ry Cooder (na foto), produtor do «Buena Vista Social Club», e uma crítica ao álbum ao vivo recentemente editado pela World Circuit.


RY COODER
O MEU CORAÇÃO É CUBANO

Este título é mentira. Ou é só uma semi-mentira. Nunca, ao longo desta entrevista, Ry Cooder disse a frase. Mas sente-se - no decorrer de toda a conversa que tem como mote a edição em disco do mítico concerto do Buena Vista Social Club no Carnegie Hall, em Nova Iorque - que Cooder está quase, quase a dizê-la.

Quem viu o filme «Buena Vista Social Club», de Wim Wenders, sabe bem do que se está a falar aqui: o concerto que juntou velhas e novas glórias da música cubana - as mesmas que protagonizaram o disco homónimo editado um ano antes - no palco do Carnegie Hall, em Nova Iorque, em Julho de 1998. O encantamento, o espanto, de muitos daqueles músicos e cantores perante a grandeza da cidade; o encantamento, o espanto, de quem os ouvia no concerto - «gringos», centenas de «gringos», rendidos à verdade e à beleza daquela música antiga que vinha dali de tão perto, de Cuba, e dali de tão longe - a Cuba inimiga de Fidel. No centro do palco, mas lá atrás, de óculos e discreto, está Ry Cooder - o padrinho da iniciativa, produtor do álbum que então começava a tornar-se no maior best-seller da história da world music e um exemplo maior de que a música pode muitas vezes derrubar muros políticos e ultrapassar fronteiras geográficas.

No início deste processo está uma ideia de Nick Gold, director da editora World Circuit, que, recorda Ry Cooder nesta conversa, «queria gravar um álbum de colaboração entre guitarristas africanos - nunca cheguei a saber quem eles eram! - com músicos cubanos. Mas os músicos africanos nunca conseguiram os vistos para poder ir a Cuba na altura e tivemos que mudar o foco do disco». O próprio Ry Cooder teve que deslocar-se a Cuba através do México, devido ao embargo norte-americano à ilha. «Mas tivemos a felicidade de conseguir juntar em estúdio os melhores músicos e cantores cubanos que, em 1996, ainda podíamos encontrar. E todo o processo de gravação foi muito improvisado, gravando com quem ia aparecendo no estúdio. Não houve um plano». Questionado sobre se se teria apercebido, durante as gravações em Havana, de que estava envolvido num disco que viria a tornar-se histórico, Ry Cooder diz que «não. Estava ali a divertir-me, a conhecer pessoas maravilhosas - e, acima de tudo, a aprender com elas - e a tentar fazer o meu trabalho o melhor possível». O resultado comercial deste disco que deu a conhecer ao mundo artistas como Ibrahim Ferrer, Compay Segundo ou Omara Portuondo foi uma coisa que surpreendeu Ry Cooder e o próprio Nick Gold. Diz Ry Cooder que «o Nick, optimista como é (risos), apontou as vendas para a ordem dos cem mil. E acho que já vendeu mais de oito milhões de exemplares até agora...».

Passados todos estes anos, alguns dos músicos presentes em «Buena Vista...» já não se contam no reino dos vivos (Compay Segundo, Ibrahim Ferrer, Pio Levya, Rubén González...). Ry Cooder relembra-os com saudade e diz-se «um homem de sorte por tê-los conhecido. Tenho um grande orgulho por ter estado com eles, por tê-los visto tocar e cantar. Tenho tido a sorte de tocar e colaborar com muita gente ao longo destes anos, gente deste calibre, com quem aprendi imenso». Em sentido contrário, as gravações em Havana tiveram consequências perversas na vida de Ry Cooder, cidadão norte-americano: «O Departamento de Estado - cheio de reaccionários anti-cubanos - ameaçou-me com a prisão, escreveu-me uma carta a dizer que eu estava "sob suspeita". Isto não teria acontecido se o disco ("Buena Vista...") não tivesse tido sucesso, mas como estava a ter aquela visibilidade toda, isso virou-se contra mim. Felizmente, tive o apoio do presidente Clinton que, apesar do embargo, não se opunha a trocas culturais com Cuba». Essa abertura de Clinton possibilitou a realização do concerto do colectivo Buena Vista Social Club no Carnegie Hall, cujo registo discográfico é por estes dias posto à venda, e a deslocação de Ry Cooder a Cuba para a gravação de discos em nome individual de algumas das estrelas reveladas pelo álbum original. Mas este estado de graça terminou em 2001, quando George W Bush e a sua administração - a quem Ry Cooder chama «evil clowns» - chegaram ao poder. E deixa o desejo de que, nas próximas eleições, seja o Partido Democrata a vencer.

Ao longo de uma carreira longa e riquíssima de experiências em várias áreas musicais - do rock aos blues, passando pelas bandas-sonoras de vários filmes, as trocas com músicos extraordinários (a sua parceria com Ali Farka Touré também foi recordada com saudade durante a entrevista) -, Ry Cooder tem, nos anos mais recentes, flirtado de forma mais aberta com a música mexicana e com as suas ligações à música norte-americana (numa fabulosa trilogia de álbuns: «Chávez Ravine», «My Name Is Buddy» e «I, Flathead»), preparando-se agora para, de certa forma, continuar essa aventura produzindo um álbum que vai juntar o mais prestigiado grupo folk irlandês, The Chieftains, com músicos mexicanos.


BUENA VISTA SOCIAL CLUB
«AT CARNEGIE HALL»
World Circuit/Megamúsica

«Buena Vista Social Club», o álbum de estúdio - gravado em 1996, em Havana, com produção executiva de Nick Gold (o patrão da World Circuit), produção musical de Ry Cooder e com Juan de Marcos González como ligação no local aos outros músicos cubanos, novos ou antigos -, veio a ser o maior fenómeno de vendas da história da chamada world music, com mais de oito milhões de cópias vendidas pouco mais de dez anos sobre a sua edição. E, para além de ser um campeão de vendas, tornou-se também um paradigma para outras produções semelhantes - já há um disco chamado «Samba Social Club»; já há outras aproximações à «fórmula» feitas com músicos de outras latitudes, incluindo em Portugal com o projecto «Cabelo Branco É Saudade»... Mas nada disto - nem as vendas, nem o paradigma - são importantes quando se ouve, se ouve mesmo!, o álbum: um registo em que a verdade absoluta de uma música, e quase sempre de um género entre os muitos géneros cubanos, o son, transparece em cada nota, em cada palavra respirada, em cada silêncio...

E agora, os fãs do «Buena Vista...» original já podem deliciar-se, de novo, com a voz de Ibrahim Ferrer, de Omara Portuondo, de Pio Levya, de Compay Segundo ou de Eliades Ochoa, com o piano mágico de Rubén González e com a trompete falante de Manuel «Guajiro» Mirabal porque é editada, finalmente, a gravação do mítico concerto que este grupo de cantores e músicos cubanos - mais os outros que também por lá estão - deram no Carnegie Hall, em Nova Iorque, em 1998; o mesmo do qual temos algumas imagens no documentário homónimo de Wim Wenders. E o que é que ganhamos neste álbum ao vivo que não há no original de estúdio?... Resposta fácil: uma maior dose de improvisação em alguns dos temas (oiça-se González brilhar no seu solo do tema-título «Buena Vista Social Club»), algumas canções que não estavam no original - como «Mandinga», ponte feita entre Cuba e a África Ocidental, uma deliciosa versão de "Quizás, Quizás" ou a belíssima "Silencio". E, acima de tudo, a certeza de que o álbum de estúdio não foi apenas um milagre de... estúdio mas que tudo aquilo, principalmente «ao vivo», é música da melhor e da mais genuína que alguma vez existiu. (******)