19 janeiro, 2009

Adeus João... E Obrigado Por Tudo!


Esta é daquelas notícias que não gostaria mesmo nada de dar. Mas aqui fica, como sentida homenagem e com um enorme adeus e um ainda muito maior obrigado pelo que o João fez pela música portuguesa e pelo amor que sempre demonstrou às suas raízes. Obrigado João (e um abraço de conforto aos teus amigos mais próximos: a Sandra, o Luís, a Mitó...). Na íntegra, o comunicado dos amigos:

«Faleceu a 18 de Janeiro de 2009 em Lisboa o músico João Aguardela, que faria 40 anos em Fevereiro. Vocalista, líder e fundador dos Sitiados, que fizeram enorme furor nos anos noventa, Aguardela foi também o mentor de projectos como Megafone (quatro discos de um trabalho muito pessoal, que cruza a recolha de música tradicional portuguesa com sonoridades electrónicas), Linha da Frente (formado por vocalistas de várias bandas nacionais interpretando textos de poetas portugueses) e A Naifa, o seu mais recente projecto com Luís Varatojo, com três álbuns editados e dezenas de concertos aclamados pela crítica e pelo público.

Criador com capacidades fora do comum, inovador, Aguardela soube antecipar tendências e lançar projectos esteticamente inéditos, sempre numa abordagem marcada pela defesa da língua e da cultura portuguesas.

Firme nas convicções, determinado nos objectivos , invulgar na forma de ser e estar na vida, desde sempre grangeou respeito e admiração no meio musical, ainda que nunca tivesse procurado o estrelato.

Vítima de cancro, morreu no Hospital da Luz, aos 39 anos. Deixa uma obra invejável e saudade à família e amigos. Como escreveu o João, "os dias sem ti/ são todos iguais/ são estrelas sem brilho/ são dias a mais"».

O funeral está marcadao para amanhã, terça-feira, às quatro da tarde, no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

10 comentários:

Crix disse...

Concordo contigo, António, que enorme perda para a música portuguesa!
rest in peace! :(

VJ Tia 60 disse...

grande perda... ainda estou a tremer...

Anónimo disse...

notícia triste antónio. esteve por sines com o projecto megafone na capela da misericórdia e com a naifa no auditório do cas (já não pode vir ao fmm - porto covo!).
carlos s

Aggio Piaggio disse...

Conheci-o como Sitiado, adorei o Megafone e amei a Naifa. É de facto uma pena que parta tão jovem. Tanto que ainda teria para dar à música portuguesa. Que descanse em paz.

Dijambura disse...

Porquê?

Anónimo disse...

Estou ainda um bocado parvo com esta notícia. O João Aguardela ( e os Sitiados) acompanhou nos anos 90 a minha educação musical. Foi através dele que conheci a imensa obra de um senhor chamado Michel Giacometti. O que fez na música portuguesa (e deixemo-nos aqui de puritanismos) foi muito, e concretamente no que toca ao Fado, fez com que aguçasse o apetite de muita e jovem gente para este género.

É sem dúvida dos mais influentes e mais activos músicos portugueses e é igualmente de louvar o que fez para retirar a música popular de raíz etnográfico da escuridão do esquecimento. Vai deixar saudades.

Jens (João Alemão) disse...

Vi os Sitiados pela primeira vez ao vivo no Rock Rendez-Vous, nos finais de 1989, num concerto colectivo em que eram o nome menos sonante, e desde logo me atraíram pela sua energia em palco.

Nunca fui fanático dos Sitiados, tive sempre problemas de gostar a maneira dele de cantar. Mas segui sempre o percurso deles. Obviamente foram a primeira banda pop que me fizeram sentir uma certa portugalidade na música deles. Muita coisa só percebi anos mais tarde, quando - com mais conhecimentos da música tradicional/popular portuguêsa - descobri novamente o primeiro disco dos Sitiados.
Nunca cheguei a ouvir o seu trabalho a solo como “Megafone”, que mesmo assim gosto só pela idea de juntar as gravações de Giacometti com electrónica.
A “Linha da Frente”, um lindo projecto pop –musicalmente neste contexto se calhar o trabalho menos tradicional onde ele participou - tinha muito peso nas letras de autores contemporâneos.
E depois “A Naifa”! Um dos projectos mais interessantes dos últimos anos que nunca tiveram o merecido sucesso além-fronteiras (pois a gente se contente com Mariza e afins…), que juntaram uma voz de Fado, a electronica dos “Massive Attack”, um baixo à Simon Gallup dos Cure (oiçam “A Fé” –sic!- do primeiro album) e uma guitarra portuguesa.


Vale a pena ver este video: “A Naifa -Com todo o amor do mundo”:
http://www.youtube.com/watch?v=_hTW-vGEbiM

Simplesmente emocionante!

Jens (João Alemão) disse...

alias: "A Fé" encontra-se no segundo album d´A Naifa!!

vague disse...

Dói sempre à nossa humanidade qdo alguém q morre é mais novo q nós, como dizia a M.A. no meu blog.
E queiramos ou não, qdo as pessoas têm um rosto...parece q é mais injusto.
Mas não é mais injusto. É tão injusto como qdo acontece a quem não tem esse rosto visível.
enfim, temos q viver a vida o melhor possível. ela é uma benção, é assim q a vejo, e às vezes esqueço-me.
beijinho.

Chá de Lucia Lima disse...

Há muito que aqui não vinha - tbm eu por motivo de doença -- hoje comecei a ler tudo e, dei de com esta notícia. Tive de ler e voltar atrás para ver se seria mesmo o João Aguardela...
A última vez que o vi acho que foi mesmo com a Naifa em Loulé.
Estou ainda quase sem acreditar...