01 agosto, 2007

FMM de Sines - «Os Gamíadas» (ou Um Proto-Poema Semi-Épico - Conclusão)



Das Descobertas, Batalhas e Combates na Praia e no Castelo

Qual fero Adamastor, com as suas ameaças
Recebemos anónimas mensagens (do Cristiano)
Mas não perdes pela demora, oh Dragão das Taças
Havemos, oh celta falso, de nos encontrar p'ró ano!


Com Clash, oud, darabuka e sabedoria
Eis agora o enorme mouro, o Rachid Taha
Que gosta muito mais do galo champanhe
Do que da menta da sua terra: o bom chá


Ele há teutões que não batem bem do coco
Ele há helvéticas que põem o povo louco
Ele há bretões que fazem soar a bombarda
Ele há saxões que da folk fazem atoarda
Ele há romanos que dão grande chavascal
E, todos, todos, todos, não se saíram nada mal!


Oh África, África, nossa Terra-Mãe Comum
Ulularam as Tartit, cantou bem a Sangaré
E cantou o cota Ahmed e ainda mais um:
O glorioso K'naan, que ao 50 Cent bate o pé
Ao 50 Cent bate o pé, aos Limp Bizkit também
O jovem K'naan, que foi salvo por sua mãe
E se lerem isto em rap, do rap façam lição
Mas se for em baile mandado, talvez sim, talvez não
Talvez sim, talvez não, talvez cheguemos ao Brasil
Com o bandolim do Hamilton que do Pereira faz mil
Ou talvez ao Harry Manx, blues com sabor a caril
Blues com sabor a caril, que são ali do Canadá
Oh América, América, oh América coisa má
Diz um quarteto de saxofones que é do melhor que há...


Descobrimos das orientais electrónicas os odores
Quando arribámos ao mar bravo do Japão
O que nos salvou foi o indiano dos tambores
Deus das tablas Gurtu, que toca aquilo à mão


Dos odores do reggae houve um cheirinho
Um cheirinho que não era mesmo nada mau
Mas este cheirinho de que todos nós gostámos
Não era do Bitty McLean... Era do manhanhau


E que povos tão estranhos são estes Gogol Bordello
Comunistas! Ciganos! Punks! Até um preto no baixo!
Na refrega, no mosh, nosso Pedro perde óculos e cabelo
Calma, filho, calma: enrola aí um que eu já os acho


No fragor da batalha, com o castelo em chamas
Estalar de fogo, um cheiro a pólvora pelo ar,
Já todos ansiamos pelas nossas pátrias camas
Mas a cama pode esperar! Havemos todos de bailar!


A Festa, A Festa... e Dedicatória Final aos Amigos


O escriba zarolho e seu amigo Gonçalo
Com muitos discos e apenas dois pratos
Puxaram a dança até ao cantar do galo
Passando, enfim, da teoria aos actos


Há muitos milhares de pessoas a dançar
Ao grande som do Bailarico Sofisticado
Festejamos todos juntos o gosto de viajar
E abraçamos os amigos: muito obrigado!


(Cheia está a Lua e já vai nascendo o Sol
Deixa-me dormir agora dentro do teu lençol)


Em Sines, ao lado da do Vasco da Gama
Ergueremos estátua ao Almirante Seixas
Que já o supera em engenho, arte e fama
E a todos deixa sem mágoas nem queixas


Na foto (do grande João Gonçalves): os bailadores ao som do Bailarico Sofisticado, num último adeus ao festival, já o sol tinha nascido sobre a Avenida da Praia Vasco da Gama, em Sines

33 comentários:

Vítor Junqueira disse...

E eis que assim falou a pena
Não a Lula, bela e querida
E da elegante cantilena
Mas o camarada da má vida

Assim escrever estas linhas
Nesta cousa de rima popular
Faz lembrar as caipirinhas
Bebidas na praia junto ao bar

Que não se confunda a graça
Caipirinhas são um desconchavo
Quando se tem uma boa cachaça
Como as palavras do Pires. Bravo!

Obrigado, pois, ó espécie de zarolho
Para o ano há mais albergaria popular
Há só que ir aguentando este quotidiano restolho
E depois levar novamente a alma a lavar


(lol, que porra de vício este das rimas)

António Pires disse...

Capitão Vítor:

Grande resposta (e obrigado)!!! E sim, as rimas são um vício terrível... Ando há dois dias à procura de uma quadra que junte o(s) Aronas e o Carlos Bica e ainda não consegui - mas já inventei umas vinte, todas fraquinhas...

Grande abraço

parole disse...

Sugiro que incluam este blog no Plano Nacional de Leitura.
Confesso que fiquei com muita vontade de ler a versão integral d'Os Gamíadas.
Bom regresso, obrigada pela reportagem e parabéns pelo talento.

António Pires disse...

Parole:

Ui! Obrigado!!! Mas acho que o PNL não iria apreciar muito as várias alusões ao álcool, ao sexo e às drogas... E a versão integral é mesmo esta - deste post e do anterior. Não há mais. Pelo menos, até ao próximo FMM de Sines :))

inominável disse...

falou-se demasiado nas caipirinhas
e olvidou-se a cerveja e os tremoços
estes ao menos não são mariquinhas
e arrepiam-nos até aos pescoços

(bom, foi o que se pode arranjar como rima...grande António, volto a repetir, ESTÁ LINDO. Abraço)

António Pires disse...

Dário!!!

Podes continuar!!! E não queres (querem?) fazer uma selecção das inúmeras quadras da mailing list e passar para aqui com assinatura colectiva (isto é, com os nomes de todos os «proto-poetas» a ressacar violentamente de Sines?). Ainda imprimíamos isto e levávamos para o ano para nos rirmos do nosso estado actual!!!

Grande abraço

un dress disse...

~~ estou a ver que singraste pelas rimas!

vais apontando as palavras ou sai assim prontinho !?

ainda vou experimentar ai.vou.vou..






abraçO e beijO

...com canela!! :)

António Pires disse...

Un-Dress:

:) :) :)

Rimas de pé, mão e quase tudo quebrado, Un-Dress!! Não sei rimar, mas desta vez - acho que é experiência única mesmo - umas rimas saíram naturalmente, outras andei umas boas horas à volta com elas...

Abraço e Beijo (com caril :)

menina tóxica disse...

belas rimas :))))) deixaram-me com grande sorriso na cara.

(isto no plano nacional de leitura ficava bem, ai não eheh a parole tem muita razão)

isto é que é uma reportagem. dá muita vontade de ir ao próximo :)

António Pires disse...

Menina Tóxica:

Isto é a antítese de uma reportagem!!!, digo-te eu que tenho vinte anos de jornalismo em cima. Mas, por isso mesmo, é tão bom - porque escrevo num blog e não num jornal ou revista qualquer! - poder subverter livremente as regras!!! Fico contente com os teus sorrisos :)))) E sim: não percas o próximo FMM de Sines - o festival faz dez anos em 2008 e está prometida festa ainda mais rija do que este ano...

Anónimo disse...

Fico extremamente contente por poder ver-te subverteres as regras desta forma tão... intensa, vivida...

Sinceramente, os meios online trataram bem melhor o festival do que a imprensa em papel (salvé A. Pires, V Junqueira, Lia do Blitz). O teu "os Gamíadas" faz-me esquecer algumas das baboseiras que fui lendo aqui e ali, nos jornais de grande tiragem, como a "música quase a metro dos Bellowhead", "a pior noite dos últimos anos" (a de sexta-feira), ou o "bandoneonista Hamilton de Holanda".

ygg

António Pires disse...

Olá Luís!

Obrigado!!! E deixa-me também incluir-te nessa lista, por favor: pelo teu árduo, extremamente meticuloso e valiosíssimo trabalho no Crónicas da Terra!!! Pois, também li alguns desses textos e custou-me especialmente ler a reportagem intitulada «a pior noite dos últimos anos» - gosto imenso do jornalista que escreveu esse texto mas aí ele atirou ao lado e falhou por alguns quilómetros (acredito que teve um dia mau - acontece). A do «bandoneonista» não li mas até acho graça, porque bandolim e bandoneon começam pela palavra «bando»: se fosse um guitarrista a acompanhar o Carlos do Carmo poderia ser um «bandodepardaisàsoltista».

Grande abraço

brUno disse...

Caro António,

Fantástica expropriação de regras!
Para não variar, brindas-nos com o melhor lirismo possível para descrever coisas tão dífíceis de serem descritas: música e emoção. Obrigado! :)
Tenho só uma curta ressalva a fazer: falta nesta magnífica epopeia uma palavra, só uma. Rima com verdade e amizade, só que voa ainda mais alto... é a Liberdade!

Assim me despeço, comovido e inspirado
Com tudo de bom e tudo de novo
Viva a vida, viva a liberdade!
Um abraço de Sines a Porto Côvo

HotRod disse...

Que delícia. É de ficar mesmo com um sorriso estampado na cara!

És o maior!

Caga no jornalismo pá! Isso é para gente chata e séria... Ainda bem que soltaste o blogger que há em ti! Bem, tu já fazias umas brincadeiras...que eu sei...


É com uma enorme alegria que te leio amigo e pai. Queria escrever umas coisitas em verso também... mas acobardei-me. Depois de ler "Os Gamiadas" fica-se seco!

Bom, agora estou-me nas tintas para quem vai ver isto! Que me chamem lamechas, rabo, veado.

Sabes, tu passas o tempo a elogiar os outros e é com extrema facilidade que dizes que as pessoas são lindas (bom, principalmente as meninas, não é?), nunca te esqueças disto: Só uma pessoa com o teu coração é que consegue ver tanta beleza. Portanto as pessoas que tu achas lindas, até o podem ser. Ou se calhar, são só fixes. Porque lindo, lindo, lindo és tu!

Estou mesmo a ver que este último parágrafo vai passar pela censura!

Obrigado e um abraço
Rod

Dijambura disse...

Gloriosooo....adoreeei!!!

Vítor Junqueira disse...

"se fosse um guitarrista a acompanhar o Carlos do Carmo poderia ser um «bandodepardaisàsoltista»."


LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL!!!!!


Pá, ainda bem que estou sozinho aqui no trabalho. :D

Mário disse...

no próximo vou atingir no nirvana fotográfico, caíndo de paraquedas em cima do palco principal enquanto ftografo com uma mão e faço um webcast com uma camera na outra!

Salut mon ami!

António Pires disse...

Bruno:

Obrigado pelo acrescento!! E sim, «liberdade» também é uma boa palavra para usar num «poema» (com muitas aspas) sobre o FMM!!

Rodrigo (filho):

Muito, muito obrigado!! Deixas-me emocionado...

E «soltar o blogger» é um excelente conceito: se fosse uma letra dos Bonde do Rolê poderia ser «Solta o blogger e vem rimar».

Um grande, grande abraço (e um beijo à Katia)

Dijambura:

Obrigado!!! E que a tua menina nasça já com vontade de ir a Sines! :))

Capitão Vítor:

:) :) :)

Mário:

Admiro-te camarada (a ti e ao Luís, como já referi num «comentário» anterior)!! Vê se descansas agora... E, depois das férias - há tempo!!! -, envia-me por favor as tuas fotos da sessão de DJs AP/GF e do Bailarico Sofisticado.

Grande abraço

Anónimo disse...

hum hum...pois eu daqui da minha"cátedra" reafirmo: É poesia. SIM!



prontoS. disse.


:))))

Bom dia Música....beijo.


.piano.

António Pires disse...

Isabel:

Fico todo coradinho (mas satisfeito :)))

Bom-dia e um Beijo Poesia

Anónimo disse...

Ó grande António, bardo por inteiro do fememê. Nomeio-te companheiro inseparável e predilecto de todas as viagens futuras, com ou sem lua cheia. Com passe AAA - all areas access - no continente da felicidade e do prazer eterno. Com a promessa, válida como lei, de feijoadas várias, churrascos de todos os peixes e fricassés de aves do paraíso, regadas com néctares de todas as regiões e digestivos mágicos de subir aos céus.
Carlos

António Pires disse...

Almirante Seixas!

Curvo-me humildemente a teus pés e aceito o passe AAA vitalício e todas as vitualhas (podes acrescentar uma garrafa de «galo champanhe» na lista dos néctares?) que de tua imensa bondade poderão advir!!! Imensa e eternamente obrigado,

O Bardo

rita disse...

fogo eu devo andar uma lamechas.
ao ler estas palavrs veêm as lágrimas aos olhos. deve ser das saudades do barulho.
antónio és grande.
e pró ano lá estaremos.

António Pires disse...

Olá Rita!

Grandes somos todos, os marujos das três caravelas! P'ró ano lá estaremos, de certeza!!!

Beijinhos...

catarinia disse...

:):):)

Só agora é que pude cá vir ler a reportagem, e acho que depois desta, não vou gostar tanto de mais nenhuma!

Estes Gamíadas estampam um sorriso enorme na cara de qualquer um. Mesmo de quem nem se pode sequer aproximar de Sines, apesar da imensa vontade!

Fantástico!!! E temos poeta! ;)

Tania disse...

Caro António
és de uma simpatia
aguardo pelo próximo encontro
pelo puro prazer da tua companhia

(fraca fraca mas bem intensionada, ora bolas!)

beijinho
pequenino
ou eorme
é conforme
não importa
o que nos consome
é este amor
pela música
uns pelos outros
embora um tanto ou quanto toscos


Tânia

António Pires disse...

Catarinia:

Não, não sou poeta. E não, repito, isto não é uma reportagem: é apenas o resultado «esquizo» de nove dias rodeado de amigos e de muito boa música!!! E, sim, muito obrigado pelas tuas palavras!!!

(E se não pudeste ir a este FMM, não percas o próximo :)))


Tânia:

Também tu apanhada pelo vício das rimas?!?... O próximo encontro será em breve e que a espera nos seja leve (!!!)

Beijos...

Tania disse...

A minha casa na serra de Sintra está à nossa espera
e toma lá mais esta rima bera!
*

António Pires disse...

Tânia:

Bera não é essa rima e Sintra é já ali acima... (ou então vêm os marujos todos cá, à minha casa de Massamá)

*

Vítor Junqueira disse...

Pensa bem na tua colecção de instrumentos de percussão antes de dizeres essas coisas, António. Quem te avisa, teu camarada de embarcação é.

António Pires disse...

Capitão Vítor:

Trazes o teu pau-de-chuva
E mais a tua nova m'bira
E bebemos essência de uva
E fazemos uma música gira

Vítor Junqueira disse...

Belo programa, ó bardo António
E, entretanto, Póvoa de Varzim?
Tenho aqui aos pulos o meu neurónio
Que já não via tanta festa assim

António Pires disse...

À Póvoa de Varzim
Conto eu ir também
A conquistar o Norte
E ainda mais além

(conto publicar o programa do Músicas do Mar lá mais para a noite :)

Grande abraço