31 julho, 2007

FMM de Sines - «Os Gamíadas» (ou Um Proto-Poema Semi-Épico em Construção)



Prólogo


Ao fim de tarde na praia Vasco da Gama
Já vemos garbosos navios a atracar
São cervejas, manhanhaus e caipirinhas,
Ao som de Bob Marley e de tanto, tanto mar...

São p'ra cima de vinte, os marinheiros
Espalhados por toda esta semana
Em três caravelas, três!!!, senhores,
Mesmo que não haja assim tanta cama

Não faz mal, diz o Capitão Vítor
Algum canto se há-de arranjar
E de canto em canto lá vamos
Passando estes dias a cantar*

Tanto cantámos na noite de sábado
Que a Tenente Cristina discursou
E com tanto empenho e brio o fez
Que a todos os amotinados calou!


As Primeiras Descobertas da Tripulação


À noite no promontório de Porto Covo
Solta-se a música em grande folguedo
E só os Deti Picasso, apesar da miúda,
Fizeram uma música de fugir de medo

De resto, tudo ficou bem por aqui:
O Darko Rundek e o violinista travesti
O franciú da guitarra com a Mamani
A loucura ska-trad dos Haydamaky
As gaitas dos Galandum (sopra-me aqui!)
Os Etran Finatawa, do Niger que parece Mali
E até os Djabe... em inglês: da Hungary

(Mas... o Rão Kyao, esse, coitado, era melhor continuar no fado)

No novo Centro de Artes de Sines
Havia gente por dentro e por fora
E todos os concertos foram bons
Indepentemente do estilo e da hora

Nas Ttukunak a txalaparta partiu
Ah, grandes gémeas do País Basco
Foi tal o vigor que delas se viu
São por certo marujas do Gama, o Vasco!

O Marcel parece um Cohen judeu
E a bela Lula aos matraquilhos perdeu
Mas quando cantou, Deus meu!,
Até o Boy George no fado meteu

O Jacky Molard mais a sua banda
Misturam bem a tradição com o jazz
Mas foi no convés da nau SMURSS
Que mostraram como a música se faz


(E agora um Breve Interlúdio à la «Ilha dos Amores»):


Comemos frango de freak-à-séria
Nas esplanadas das tasquinhas
E bebemos um néctar tão perfumado
Que vinha das melhores vinhas**

Descobre o freak que há em ti
Disse-lhe ela com todo o respeito
E enrolou-lhe um charro de erva
Enquanto da relva fez seu leito***

E lá vem Ana; e lá vem Pedro
Anunciar, taram!, o seu noivado
Não estivéssemos todos bêbados
E tínhamos logo caído p'ró lado

Há um doce triângulo amoroso
Do mais bonito que pode haver
O Manuel, a Petra e o Luís
Todos estão nos blues com prazer

Sem esquecer a cadela Naika
Que outro triângulo (quadrado?) insinua
Ela, o Luís e a sua querida Petra
Mais o Árabe, lindo, a uivar à Lua

O amor, o amor, o amor é tão bonito
Que outras histórias se poderiam contar
Mas como gosto dos meus amigos
O melhor é ver, ouvir e... assobiar

(fim do interlúdio à la «Ilha dos Amores»)


Notas:

(*reparem bem, por favor, no elegante jogo de aliterações entre as palavras «canto» - de «um sítio qualquer onde descansar o esqueleto, nem que seja o hall de entrada, quando não estamos a ver concertos e a embebedar-nos violentamente» - e «canto», do verbo «cantar»)

(**reparem bem, bis, no subtil jogo fonético da palavra «vinha» - do verbo vir - com a palavra «vinhas» - de videiras, aquelas plantas que dão uvas, das quais se faz vinho, etc, etc...)

(***reparem bem, tris, na inteligente ligação entre os diferentes significados de «erva» e de «relva», que apesar de serem por vezes sinónimas são vegetais que nem sempre têm a mesma origem, utilidade e função...)

(Na foto: Vasco da Gama, nossa inspiração comum... Amanhã no Raízes e Antenas: As descobertas das costas de África, das Américas e da Índia na segunda e última parte de «Os Gamíadas»)

27 comentários:

J G disse...

António , deixa-me dizer isto;

Amo-te Demais!

Joanie Bats disse...

António, queres ser para mim uma espécie de pai que nunca tive? Serias o pai mais cool de todos, aposto. Os Gamíadas deixaram-me com uma lágrima no olho e uma bola no gorgomilho. beijinhos da Joana

Vítor Junqueira disse...

És o maior, António... É que és mesmo.

E, porra, já me puseste novamente a lágrima no canto do olho... às 8h30 da manhã! :(


Quem quer fazer-se à estrada para ir tomar o pequeno almoço aos Galegos? Apanho-vos em qualquer sítio...

inominável disse...

Ò António, ISTO ESTÁ LINDO!!!

pedro disse...

épico papá!!!épico!!!

Vítor Junqueira disse...

António, já alguma vez te disse que foi com os teus textos que aprendi a gostar, desta forma desmesurada, de música, de há vinte anos para cá? Acho que nunca te agradeci devidamente. OBRIGADO, POETA.

António Pires disse...

A todos:

Também vos amo!!! E sim, depois de ter sido pai do Pedrinho (não serviu de nada, mas enfim!) também posso ser teu pai, Joana!

(o «proto-poema» continua hoje, depois da meia-noite...)

António Pires disse...

Ao Vítor:

E com essa, quem está com uma lágrima - ou mais - ao canto do olho sou eu. E não, não escrevo um poema ou algo parecido desde os 16 anos... Foram vocês que inspiraram esta coisa... É a minha vez de dizer obrigado, Capitão!

Tania disse...

António, minha musa jornalística, meu guru musical,

Adoro-te! Conhecer-te foi uma honra, obrigada por tudo, pela presença, pela paciência, pela sapiência, pelo pai que há em ti, pelas conversas, pelo humor refinado e aldrabado, por tudo e mais alguma coisa.
Beijinho
Tânia

Anónimo disse...

olá Música....
em "canto" maior!





beijo.


isabel mendes ferreira.

António Pires disse...

Oh Tânia,

Não digas essas coisas que fico completamente envergonhado e vou esconder-me num sítio qualquer!!

Beijinho


Isabel:

Este «canto» é apenas uma pequena homenagem aos meus amigos e ao fabuloso festival de Sines!! Não é poesia, claro...

Beijo

Margarida Girão disse...

Como eu digo: Mestre!!!

António Pires disse...

Também tu, Margarida!

(blushing!!!) Um beijo...

nuno disse...

não consigo escrever nada. tenho dois rios a nascerem nos olhos. a escorrerem por um sorriso. que desaguam num enorme mar. de amizade.

forte abraço antónio

nunoarab

António Pires disse...

Nuno:

Salam Aleikum!... E um grande abraço!!!

lisabel disse...

Até a Nyka tem direito a aparecer, muito bem! :-)

António Pires disse...

Lisabel:

Sim, a Nayka foi a companhia perfeita nas (poucas) horas caseiras!! Terapia do pêlo!!

PS: Conhecemo-nos?? Em Sines??

Mário disse...

Pá!
Então joagaram matraquilhos com a Lula Pena ???
Fogo!
Há que anos que não jogo, já estou deprimido (bem, talvez não porque me divirto á brava a trabalhar).

António Pires disse...

Mário:

Não joguei matraquilhos com a Lula Pena, mas os outros jogaram. Eu só assisti. E ela joga bastante bem!!

Grande abraço

Vítor Junqueira disse...

Eu ganhei nos matrecos à Lula Pena... :>

António Pires disse...

Capitão Vítor:

Mas não cantas tão bem quanto ela :P

João Almeida disse...

Pai, Professor, Poeta, Perfeito, Predestinado, Precussionista, Puro, Pires, é o António.

Foi um prazer conhecer-te.

Um forte abraço.

António Pires disse...

Oh João,

Obrigado!!! E o prazer foi meu!!! Havemos de nos reencontrar proximamente, nem que seja a ver jogos dos Benfica!!!

Grande, grande abraço...

Vítor Junqueira disse...

João Almeida said...

Pai, Professor, Poeta, Perfeito, Predestinado, Precussionista, Puro, Pires, é o António.

António Pires said...

Havemos de nos reencontrar proximamente, nem que seja a ver jogos dos Benfica!!!

-----

Ah, ok. Estava a ver que faltava ali um P...

:>

António Pires disse...

Oh Capitão Vítor!

De que falas tu?!?... De Pantera (Negra), certo???...

>:> >:> >:>

Nobody's disse...

AMO-TE DEMAIS!

É muito mais que uma honra fazer parte da tua vida.



Petra, Nyka, Luís

António Pires disse...

Petra (e Nyka e Luís):

EU TAMBÉM!!! E vejam se voltam ao «esquema mensal» no Ctacumbas, por favor!!! Beijos e abraços e uma festa grande no pêlo branco e castanho!!!!