17 março, 2007

Rare Folk, Cadencia e Nordestin@s - Os Bons Ventos de Espanha



Três grupos de várias regiões de Espanha e de estilos muito diferentes mostram a vitalidade e a variedade da música de raiz tradicional - e não só das raízes mais «óbvias», como se verá - feita no país vizinho. São três álbuns recentes dos «celtas» Rare Folk, dos flamenquistas Cadencia (na foto) e do trio galego Nordestin@s.


RARE FOLK
«NATURAL FRACTALS»
Ed. de Autor/Galileo

Sexteto de Sevilha já com quinze anos de existência, os Rare Folk mostram em «Natural Fractals» uma música que passa quase sempre pelos ambientes ditos «celtas» - andam jigs e reels sempre a pular por ali - mas também por outros espaços em que a electrónica, o jazz-rock de fusão, a música africana, o flamenco, o rock sinfónico e progressivo, a música árabe e turca se misturam naquilo a que o grupo chama «freestyle folk». Inteiramente instrumental - pelo menos neste álbum -, o grupo é constituído por Rubén Diaz de La Cortina (flauta, tin whistle, «Mangu» Díaz (bandolim, bouzouki, glissentar e programações), Marcos Munné (guitarras), Pedro Silva (teclas), Oscar Valero «Mufas» (baixo eléctrico) e Fernando Reina (bateria), tendo neste álbum a colaboração de Elo Sánchez (violino) e Nacho Gil (saxofone soprano e clarinete turco). E, por muito longe que esteja de um qualquer purismo ou tradicionalismo qualquer (excepto na faixa escondida que encerra o álbum, um solo de flauta que parece saído de um pub irlandês), nota-se sempre na sua música um amor tremendo pelas raízes da música «celta», uma escolha curiosa e bem-vinda de um grupo oriundo da Andaluzia. (6/10)


CADENCIA
«SIN TI»
Fonoruz

Também de Sevilha, e neste caso fazendo «justiça» às suas origens, os Cadencia são um excelente grupo que parte do flamenco - que está sempre muito presente nas suas canções - para visitar também outros géneros musicais como o jazz, a bossa-nova, a música medieval e a música «celta», tudo espalhado por originais de membros do grupo que são de um bom-gosto a toda a prova. Tendo como ponta-de-lança a voz verdadeira, quente, sanguínea, lindíssima, de Dolores Berg, do grupo fazem também parte J.A. Mazo «Gori» (guitarrista e compositor da maioria das canções), Enrique Mengual (baixo), Sofia Bermudez (percussões) e Pepo Herrera (flautas), usando exclusivamente instrumentos acústicos. Longe do radicalismo, da loucura e do experimentalismo de uns Ojos de Brujo, por exemplo, os Cadencia estão muito mais perto da essência do flamenco (e dos vários sub-géneros que o flamenco inclui), mas estão também sempre prontos a na sua música incluir um ou mais elementos desviantes e surpreendentes. «Sin Ti» é o álbum de estreia do quinteto mas é já uma obra madura, cheia de certezas e prova maior de que há um novíssimo e bastante excitante flamenco a nascer na Andaluzia. (8/10)


NORDESTIN@S
«NORDESTIN@S»
Falcatruada

Ainda mais surpreendente do que os dois álbuns anteriores é o álbum homónimo dos galegos Nordestin@s, projecto que reúne duas cantoras maravilhosas - Guadi Galego (dos Berrogüetto) e Ugia Pedreira (dos Marful) - e o extraordinário pianista de jazz Abe Rábade. Neste grupo, os três atiram-se com bom-gosto, elegância e originalidade à interpretação de muitos tradicionais galegos e alguns originais deles e de alguns outros. O álbum está cheio de belíssimas harmonias vocais entre as duas cantoras (embora por vezes também cantem a solo), sublinhadas pelo voo pelas teclas do piano de um Rábade swingante, inventivo, livre. E o resultado é sempre uma maravilha completa, não se sabendo nunca o que é que tem mais peso aqui, se o jazz se a inspiração tradicional - e ainda bem que não se sabe! O álbum, que foi gravado ao vivo (mas sem audiência) no Teatro Principal de Santiago de Compostela, em 2006, inclui canções «populares do norte de Galicia, composicións que ulen a mar e a taberna, que falan de lendas de mulleres e sereas e que foron trasmitidas por varias xeracións». Só mais uma coisa: raramente como neste álbum a língua galega - nossa língua irmã - soa tão doce e subtil. (9/10)

3 comentários:

Marco Costa disse...

Só postei para agradecer a existência deste blog que sigo fielmente à já um mês. :) obrigado pela informação.

aproveito para deixar o link do meu blog. Gostaria que desses uma olhadela.

www.estantevazia.blogspot.com

Grande abraço. Vemo-nos em Sines?

Marco Costa disse...

www.estantevazia.blogspot.com

António Pires disse...

Olá Marco,

Obrigado pelas palavras de alento e parabéns pelo Estante Vazia (também continuo a coleccionar apaixonadamente CDs). E, sim, Sines está quase aí e eu estarei lá, claro...

Um abraço