30 outubro, 2007

Cromos Raízes e Antenas XXIX


Este blog continua hoje a publicação da série «Cromos Raízes e Antenas», constituída por pequenas fichas sobre artistas, grupos, personagens (míticas ou reais), géneros, instrumentos musicais, editoras discográficas, divulgadores, filmes... Tudo isto sem ordem cronológica nem alfabética nem enciclopédica nem com hierarquia de importância nem sujeita a qualquer tipo de actualidade. É vagamente aleatória, randomizada, livre, à vontade do freguês (ou dos fregueses: os leitores deste blog estão todos convidados a enviar sugestões ou, melhor ainda!, as fichas completas de cromos para o espaço de comentários ou para o e-mail pires.ant@gmail.com - a «gerência» agradece; assim como agradece que venham daí acrescentos e correcções às várias entradas). As «carteirinhas» de cromos incluem sempre quatro exemplares, numerados e... coleccionáveis ;)


Cromo XXIX.1 - Buena Vista Social Club


Se a música cubana já era internacionalmente bem conhecida na altura da edição do álbum «Buena Vista Social Club» (1997), este projecto elaborado pelo norte-americano Ry Cooder veio ainda dar-lhe maior visibilidade e levou-a ao topo de preferências de inúmeros amantes das «músicas do mundo». Muito justamente, já que a música presente no álbum é absolutamente extraordinária e tem ainda o mérito de ter voltado a pôr na ribalta muitos músicos e cantores cubanos entretanto esquecidos, para além de uma excelente selecção de jovens músicos. No barco estavam a cantora Omara Portuondo, o cantor Ibrahim Ferrer, o pianista Rubén González, o guitarrista Eliades Ochoa, o trompetista Manuel «Guajiro» Mirabal e o percussionista Angá Díaz - alguns deles entretanto já falecidos -, entre outros. E «Buena Vista Social Club» foi o cadinho, feliz, de onde saíram muitos e bons álbuns individuais dos seus membros, para além de um filme, com o mesmo nome, de Wim Wenders.


Cromo XXIX.2 - Yat-Kha


Na vanguarda do rejuvenescimento da arte do «throat-singing» (o canto difónico, gutural, de Tuva), os Yat-Kha são um grupo extraordinário que mistura a música tradicional desta região russa do norte da Ásia com as linguagens do rock, muitas vezes um punk-rock eficientíssimo e abrasador. Liderados por Albert Kuvezin (guitarrista e cantor no velho estilo «kanzat kargyraa»), os Yat-Kha nasceram em 1991 como um duo de Albert com Ivan Sokolovsky (perito em electrónicas), mas evoluiu para uma banda de características mais rock quando Ivan saiu do projecto, depois da gravação do primeiro álbum, «Priznak Greyushii Byedi» (1991), e chegaram outros músicos ao grupo. Vários álbuns e inúmeras digressões por todo o mundo depois, o último álbum, «Re-Covers» (de 2005 e assinado Albert Kuvezin & Yat-Kha) mostra-os a fazer versões de muitos grupos rock, dos Joy Division aos Kraftwerk e Led Zeppelin.


Cromo XXIX.3 - Cajón


À semelhança do que acontece com o bouzouki - que, apesar de ser um instrumento associado à música «celta», nasceu na Grécia -, também o cajón não é um instrumento originalmente espanhol, mais especificamente uma «invenção» dos percussionistas do flamenco, mas sim um instrumento peruano, tendo entrado em Espanha apenas em meados dos anos 70, quando Paco de Lucia o incorporou no seu naipe de instrumentos depois de uma digressão na América Latina. O cajón é um instrumento afro-peruano sobre o qual existem documentos desde o Séc. XIX, sendo uma criação dos escravos africanos do Peru que - devido ao facto de serem proibidos os tambores nas suas festas e para comunicar entre si - começaram a usar um objecto de uso corrente, os caixotes (cájons) de madeira de transporte de mercadorias, como instrumento de percussão. Um instrumento que, depois, evoluiu para o cajón tal como o conhecemos agora.


Cromo XXIX.4 - Tarika


Os Tarika - palavra que significa simplesmente «o grupo» - são o mais importante grupo da riquíssima música de Madagáscar, uma ilha que se situa ao largo da costa de África, perto de Moçambique, mas que desenvolveu uma música muito própria que inclui elementos africanos, indianos e malaio-polinésios (estes os primeiros povos a colonizar a ilha). E, ouvindo-se a música dos Tarika - também conhecidos como Tarika Bé -, tudo isso faz sentido. Liderados pela fabulosa cantora Hanitra (aka Rasoanaivo Hanitrarivo), sempre bem acolitada pela sua irmã Noro, os Tarika fazem uma música excitante, riquíssima em «nuances» e com uma energia que põe toda a gente a dançar. E com a ajuda de instrumentos tradicionais - marovany, valiha, kabosy, jejy voatavo... - e também de guitarra e baixo, os Tarika já levaram a sua música a todo o mundo, tanto com esse nome como com o super-grupo paralelo Vakoka Project.

4 comentários:

un dress disse...

ant�nio...bom dia!! :)


.mais umas recorda�es -

falas de m�sica e nomes que ouvi

muito e lembro, do filme de

wenders.

.e mais umas anota�es -

do que ignoro!

e esses instrumentos, bouzouki,

caj�n, tamb�m faziam parte

do meu extenso rol de

ignor�ncias...at� hoje :)




...abra�o.beijO...

António Pires disse...

Un-Dress:

Há sempre ignorância até ao momento em que se conhece :)) E isso é bom - pelo menos, para mim é! - porque nos faz querer conhecer e saber sempre mais... Na música e no resto...

Um abraço e um beijo...

xá-das-5 disse...

Por falar em cromos, falta-te ali no lado direito um link para a melhor banda portuguesa de todos os tempos....

António Pires disse...

João (Xá-das-5):

Diz lá qual é a tua preferida e prometo que ponho ;) Mas se é a que estou a pensar - e em que tu entravas - nunca descobri um site do grupo... E só por isso não a pus ali...