05 novembro, 2006

Cromos Raízes e Antenas III



Este blog continua hoje a publicação da série «Cromos Raízes e Antenas», constituída por pequenas fichas sobre artistas, grupos, personagens (míticas ou reais), géneros, instrumentos musicais, editoras discográficas, divulgadores, filmes... Tudo isto sem ordem cronológica nem alfabética nem enciclopédica nem com hierarquia de importância nem sujeita a qualquer tipo de actualidade. É vagamente aleatória, randomizada, livre, à vontade do freguês (ou dos fregueses: os leitores deste blog estão todos convidados a enviar sugestões ou, melhor ainda!, as fichas completas de cromos para o espaço de comentários ou para o e-mail pires.ant@gmail.com - a «gerência» agradece; assim como agradece que venham daí acrescentos e correcções às várias entradas). As «carteirinhas» de cromos incluem sempre quatro exemplares, numerados e... coleccionáveis ;)


Cromo III.1 - Nicolae Neacsu




Violinista cigano da Roménia, contrabandista de cigarros, figura mítica dos Taraf de Haidouks, o violinista Nicolae Neacsu (1924-2002) costumava apresentar-se assim: «E agora, Nicolae Neacsu, de Clejani, o maior violinista do mundo, vai tocar para vocês». Formados em 1989, pouco antes da morte do ditador romeno Ceausescu, os Taraf de Haidouks (Taraful Haiducilor) espalharam pelo mundo a arte da música cigana dos Balcãs, editaram vários álbuns fundamentais - «Musiques de Tsiganes de Roumanie», «Honourable Brigands, Magic Horses And Evil Eye», «Dumbala Dumba», «Band of Gypsies», entre outros -, encontram-se entre os protagonistas do filme «Latcho Drom» e adquiriram fãs inesperados em todo o lado, do actor Johnny Depp ao Kronos Quartet. Continuam a ser muito bons, mesmo sem a presença tutelar de Nicolae Neacsu, e no seu último álbum, «Maskarada», levam de volta ao universo cigano peças de autores eruditos como Bártok, Khachaturian, iszt, de Falla e Albeniz, entre outros.


Cromo III.2 - Krishna


Talvez a primeira presença registada iconograficamente de uma entidade divina tocando um instrumento musical é a de Krishna, deus que representa o Amor e a Beleza (em sânscrito, respectivamente, «Prema» e «Rupa»). Muitas vezes, Krishna é representado como um jovem pastor que toca flauta para a sua manada de vacas (animais sagrados na religião hindu) ou para a sua esposa principal, Radha. Segundo muitas narrativas mitológicas do hinduísmo, Krishna é a oitava representação ou encarnação («avatar») de Vishnu, mas no «Bhagavad Gita» é visto como o deus maior da constelação de divindades hindus e a origem de todas as outras encarnações. Mas todas as correntes hindus convergem num ponto: Krishna tem origem divina, foi pastor quando criança e em adulto foi um notável guerreiro e professor. A devoção a Krishna não é exclusiva do hinduísmo, estando também presente noutras religiões como o jinismo, o budismo, a Fé Bahá'í e até algumas correntes do islamismo.


Cromo III.3 - Fela Kuti



Figura maior da música africana do séc. XX, o nigeriano Fela Anikulapo Kuti (Olufela Olusegun Oludotun Ransome-Kuti; nascido a 15 de Outubro de 1938, em Abeokuta; falecido a 2 de Agosto de 1997) foi a síntese mais-que-perfeita de uma música que fundiu sons de raiz africana com géneros negros norte-americanos como a soul, o jazz e o funk. Cantor, multi-instrumentista, compositor, Fela Kuti inventou o afrobeat e criou uma legião de seguidores em todo o mundo - dos seus filhos Seun e Femi Kuti aos Antibalas, passando por alguns dos seus antigos companheiros de aventuras agora bem firmados a solo como Tony Allen e Dele Sosimi. Personagem única também para além da música, Fela tinha no seu país natal uma voz activa politicamente (o que lhe valeu ser perseguido pela polícia nigeriana) e criou uma «república» - Kalakuta, que era ao mesmo tempo casa, estúdio e comuna - onde congregou à sua volta as suas mulheres e os seus músicos. Só para abrir o apetite para a arte maior de Fela Kuti: a caixa de três CDs «Fela - King of Afrobeat - The Anthology».

Cromo III.4 - Tango



Música que canta o amor e a morte, o azar e a sorte, a tragédia e a ainda-mais-tragédia (tanguédia), o tango - também uma dança erótica por excelência - é a expressão maior da música argentina, sim, mas também tem ramificações próximas no Uruguai e distantes em países como a Polónia. Com uma base instrumental que inclui voz (se bem que haja tango unicamente instrumental, como no caso do génio Astor Piazzolla), bandoneón, violino, contrabaixo e piano, o tango teve como intérpretes maiores o cantor Carlos Gardel e o já referido Astor Piazzolla (mestre do bandoneón, primo do acordeão), havendo ainda hoje uma nova geração de intérpretes do tango que vale a pena acompanhar: La Chicana, 34 Puñaladas, Cristobal Repetto, Adriana Varela ou o electro-tango dos Gotan Project, Tango Crash, Tanghetto ou Bajofondo Tango Club.

2 comentários:

Ricardo disse...

Tambem gosto da sonoridade do Tango, no entanto falta aqui uma referencia, Frederico Aubele Tenho um post sobre ele no meu blog.

http://www.my.opera.com/RichardCooper/blog/show.dml/460589

António Pires disse...

Olá Ricardo,

Obrigado pela sugestão e o acrescento. A ideia dos «cromos» é excatamente essa: o texto nunca é grande mas a área de comentários está sempre aberta a novas contribuições...

Abraço