15 junho, 2007

Colecção do Fado - A Caminho de Portugal



A colecção de antigos discos de fado (e não só, já que também nela constam gravações de folclore e de canções de revista à portuguesa) que está na posse do inglês Bruce Bastin, vai finalmente viajar para Portugal, revelou o secretário de Estado da Cultura, Mário Vieira de Carvalho, à agência Lusa. Segundo uma notícia divulgada por esta agência, «dentro de uma semana, poderemos acertar a minuta do contrato da compra, no valor de 1,1 milhões de euros», disse Vieira de Carvalho. Esta colecção - reunida por Bruce Bastin ao longo de muitos anos e que só não é de valor incalculável porque, pelos vistos, foi possível calcular um preço para ela - é constituída essencialmente por discos de 78 rpm de inícios do século XX, muitos deles exemplares únicos de gravações dos mais importantes fadistas da época, mas também inclui gravações dos anos 20, 30 e 40 de fado, música tradicional e canções tornadas conhecidas pela teatro de revista ou pelo cinema.

Há alguns anos, o editor e investigador português José Moças (da editora Tradisom, que em Macau e, depois, no Minho, tem lançado importantíssimas colecções de CDs com fado primevo, música africana, grupos actuais de música tradicional e a extraordinária caixa «A Viagem dos Sons», em que se traçam os caminhos da música portuguesa, ou o que dela ficou, por esse mundo fora) tomou contacto com a colecção de Bastin e logo se apercebeu do valor documental, histórico e musical daquelas milhares de fonogramas. Agora, finalmente - e depois de se ter corrido o risco de a colecção ter ido parar a mãos estrangeiras -, as negociações entre o estado português e Bastin chegaram a uma conclusão feliz. Ainda segundo a Lusa, neste negócio «o ministério, a quem caberá a guarda e tratamento do espólio, participará com 400 mil euros, tal como a Câmara de Lisboa, e os restantes 300 mil euros são assegurados por um mecenas, cuja identidade não foi revelada, sabendo-se tratar de uma entidade bancária. “A colecção irá integrar o futuro Museu da Música e do Som, onde há pessoal técnico para o tratamento específico deste material”, disse Vieira de Carvalho».

A notícia da Lusa acrescenta que «o estudo deste espólio, maioritariamente constituído por discos de fado, é considerado essencial por vários investigadores. Para o musicólogo Rui Vieira Nery, a aquisição deste espólio “é essencial para um melhor conhecimento da história fadista, nomeadamente nos primórdios da gravação fonográfica”. A colecção inclui registos fonográficos efectuados entre 1904 e 1945 pela His Master’s Voice, Columbia, Homokord, Victor ou Grammophone, estando, na sua maioria, dados como perdidos», adiantando que entre os nomes constantes da colecção se encontram fadistas como «José Bastos, Isabel Costa, Almeida Cruz, Eduardo de Souza, Rodrigues Vieira ou Delfina Victor. O espólio encontra-se em “muito boas condições”, afiançou o investigador José Moças, que o descobriu e propôs a sua aquisição por Portugal. “Estas são – realçou – as primeiras gravações de fado de sempre, que nos irão dar, certamente, uma outra perspectiva da história desta canção popular urbana... E igualmente importantes do ponto de vista musical e etnográfico registos mais tardios de Maria Alice, Manasses de Lacerda, Avelino Baptista, Estêvão Amarante, Madalena de Melo, Maria Emília Ferreira, Júlia Florista e Maria do Carmo Torres, bem como dos mais conhecidos Ercília Costa, Berta Cardoso, António Menano, Edmundo de Bettencourt, Armandinho e o popular Alfredo Marceneiro».

Só se espera que este espólio - importantíssimo!, valiosíssimo! - seja estudado, catalogado, explicado e divulgado devidamente. Com aquilo a que todos temos direito: documentação, enquadramento, estudos teóricos e musicológicos e, claro, CDs até não mais acabar...

(A imagem que encima este post é o famoso quadro «O Fado», de José Malhoa)

12 comentários:

J G disse...

excelente notícia!

destaquei-a no grandes sons.

abraço

menina-alice disse...

Ora aí está uma boa notícia. Vou linkar!

ANNA-LYS disse...

Hello António,
Don't know but Babel won't translate Your site today. But, it surely can't hinder me to wish You a Lovely weekend :-)

Bjs

AnnA

António Pires disse...

JG e Menina-Alice:

É uma grande notícia, sim senhor!! Foram seis anos de negociações e, finalmente, o estado português e a Câmara de Lisboa percebeu que não podiam deixar fugir uma preciosidade destas para mãos estrangeiras...


Abraço e beijo...

Anna-Lys:

This post is a good news post: a very important collection of fado (the portuguese urban traditional music) records - old records from the beggining of the 20th Century - is back to Portugal... :)

I wish you a lovely weekend too!

((kram))

Anónimo disse...

__________________________
__________________________

.
_________________________
_________________________
.

bom fim de semana Música...com Pintura.




beijo.



___________________piano.

António Pires disse...

Piano:

Gosto das pautas... mesmo vazias ;)

Bom fim-de-semana Poesia!

Beijo...

Bandida disse...

um destes dias hás-de ensinar-me. o fado.



beijo A.

B.
___________________________

António Pires disse...

Bandida:

O fado não se ensina. Aprende-se ;)

beijo B.

A.

ana disse...

Óptima notícia!

Guardo religiosamente uma pequena colecção de discos de 78 rpm (devem ser uns 30) que eram do meu avô, alguns deles dos fadistas mais conhecidos que referiste. A vitrola que tenho é que não está nas melhores condições para os ler...

António Pires disse...

Ana:

Guarda-os bem!! E espera pela criação do Arquivo da Música e do Som - nessa altura poderás ficar a saber se essas gravações que tens já constam por lá ou, se não, poderás emprestá-las (ou vendê-las, mas duvido que o queiras fazer, já que as guardas religiosamente - o que eu compreendo bem) para eles as passarem para suporte digital...

José disse...

meu caro sou obrigado a actualizar a informação que tão entusiásticamente disponibilizaste no teu blogue! Acontece que passado um ano e 2 meses o Ministério da Cultura continua a persistir na falta de respeito para com as pessoas. Posso dizer-te que o cidadão inglês merecia uma medalha pela paciência que não tem a obrigação de ter. É que o espólio ainda não veio, nada foi assinado com o vendedor e o MC não atende nem telefonemas nem responde às cartas enviadas pelo advogado do referido coleccionador. É uma vergonha o que se está a passar!. É o país e os políticos que temos! Já agora apelo para que vão até ao meu blogue em www.78rotacoes.blogspot.com e deixem o vosso comentário. E divulguem o melhor que souberem porque eu só desistirei quando morrer!. Um abraço.
Zé Moças

António Pires disse...

Caríssimo José Moças:

Tens toda a razão!...

E sejas bem-vindo à blogosfera!

Um grande grande abraço...